Apesar de muito antiga, a expressão “tal pai, tal filho” ainda é atual. Além dos traços físicos e de personalidade, explicados pela genética, é um grande orgulho para os pais quando os filhos seguem sua profissão.

Por isso, neste Dia dos Pais, O Município escolheu duas histórias de filhos que se espelharam na figura paterna na carreira.

O pai de Heloísa Aparecida de Carvalho Krieger, de 26 anos, é dentista. O de Gustavo Caon Loeff, 33 anos, é cardiologista. A maior semelhança entre eles é a herança que carregaram para a vida: a profissão.

Há dois anos e meio formada em Odontologia, Heloísa tem certeza que escolheu a carreira certa. No entanto, antes de iniciar a faculdade, teve algumas incertezas. Foi o gosto pela área da saúde e pelo corpo humano e, inspirada no pai Sandro de Carvalho Krieger, 52, que ela cravou a decisão.

O pai lembra que nunca incentivou que a filha também fosse dentista, apenas a orientava a pensar bem no que escolheria para a vida. “Não queria ser cobrado depois por uma decisão que não tinha vindo dela mesma”.

Mas com a certeza em mente, Heloísa prestou vestibular para a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e passou. Emocionado e com lágrimas nos olhos, o pai relembra o momento. “Foi o dia mais feliz da minha vida. Não dá para descrever a alegria e o orgulho que eu senti”.

Para os dois, a profissão está no sangue e não teria como fugir disso. Apesar de que, assim como Heloísa, Sandro também teve dúvidas ao escolher a profissão há 35 anos. “Eu pensava em fazer Engenharia. Mas foi numa conversa com um tio, em um verão antes do vestibular, que ele deu a ideia de ir para a área da saúde”, conta.

Miriany Farias

Depois de pensar bastante, Sandro optou pela odontologia, que segundo ele, também tem bastante Engenharia aplicada à Biologia. “Depois desses anos todos, não me arrependo da decisão e nunca mais pensei em fazer outra coisa”, diz o pai.

Assim como o pai, a filha sente-se realizada com a escolha e busca cada vez mais se aperfeiçoar e estar atualizada na área. “Gosto especialmente das cirurgias, então estou sempre estudando, até porque tenho um bom exemplo em casa, e sempre que podemos estamos trocando informações e conhecimento”.

Além de ser dentista como o pai, Heloísa ainda trabalha com ele, no mesmo consultório. “É muito bom trabalhar com ele, nunca tivemos nenhum problema, e até se torna um trabalho mais gostoso e tranquilo”.

Sandro ressalta que é gratificante ver que a filha única viu nele um modelo a ser seguido. “Vejo o quanto ela se esforça, se dedica, a competência dela em exercer a nossa profissão. É fantástico”.


Viver o mesmo ambiente


Além da escolha pela mesma profissão, Heloísa decidiu estudar na mesma universidade que o pai, a UFSC. Com isso, pôde viver e presenciar os mesmos ambientes dele, anos atrás.

Na faculdade, a filha ainda teve aulas com muitos professores que também foram de seu pai. Outros, foram colegas de classe de Sandro e se tornaram mestres da filha. “No dia da formatura dela foi muito emocionante, pois tive esse reencontro com ex-professores e meus colegas de classe”, conta Sandro.

Heloísa revela que por diversas vezes ouvia histórias e acontecimentos vividos pelo pai, relatados pelos professores. “Era bastante divertido, pois eu me colocava no lugar e acabava vivendo de perto tudo aquilo”. Contudo, ela diz que pelo pai ser conhecido na universidade, a cobrança era maior.

A filha garante que se tivesse que escolher novamente o que “ser quando crescer”, escolheria mais uma vez seguir os passos de Sandro. “Meu pai é um espelho para minha vida e, em especial, minha profissão. É minha inspiração, pois ele tem uma experiência clínica gigante e o relacionamento com os pacientes é incrível. Vou me espelhando sempre mais para me tornar cada vez melhor, como ele”.

 

Deixe uma resposta