A Prefeitura de Itajaí já começou a estudar a melhor forma de aproveitar a área que fica às margens da rodovia Antônio Heil. A comissão do novo plano diretor analisa como desenvolver a zona rural do município – parte dela fica da BR-101 em direção a Brusque.

O secretário de Desenvolvimento Econômico de Itajaí, Giovani Alberto Testoni, diz que a prefeitura tem interesse em expandir e desenvolver a região rural, que fica no limite com Brusque e que isso deverá constar no novo planejamento urbano da cidade.

Segundo Testoni, a duplicação é extremamente importante por dois aspectos: economia e segurança. Do ponto de vista da economia regional, ele afirma que a duplicação integrará ainda mais as duas cidades.

“Aproxima as cidades, que se complementam. Brusque é uma importante cidade têxtil catarinense, com atividade industrial muito importante, uma migração muito forte e economicamente contribui muito para as importações e exportações no Porto de Itajaí”, diz Testoni.

A interligação entre as duas cidades é algo visto como inevitável. Já é realidade, por exemplo, no Limoeiro. Moradores do bairro de Itajaí chegam fazer quase tudo em Brusque por ser mais perto.

O secretário avalia que isso tende a se evidenciar ainda mais com a duplicação. O processo de junção dos dois municípios é algo falado há anos e começa a tomar forma.

Até o momento, esbarrava no fato de que ir de um lado para o outro era perigoso e demorado. Por isso as cidades se desenvolveram relativamente separadas.

“Para nós, a duplicação é muito importante porque vai dar mais visibilidade e mais segurança para quem investe nessa região. Principalmente o setor logístico, que vem expandindo bastante”, afirma Testoni.

Estado
Itajaí está entre as duas cidades com maior Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todas as riquezas do município – de Santa Catarina. Brusque fica entre as 12 primeiras.

Por isso, qualquer integração entre as duas cidades é benéfica para o estado inteiro, avalia Testoni. Para ele, quando mais investimentos em infraestrutura na região, mais os empresários já instalados vão investir e mais provável é que outras companhias se instalem em solo catarinense.

Segurança
O principal aspecto destacado pelo secretário é, no entanto, a segurança. A Antônio Heil historicamente é palco de acidentes graves, muitos fatais.

Boa parte do fluxo de pessoas que passam pela rodovia é de moradores de Itajaí indo e voltando da escola e do trabalho. Isso torna a duplicação ainda mais importante, pois muitas crianças passam pela Antônio Heil diariamente.

“Vale destacar a necessidade de dar segurança a quem utiliza a rodovia, que liga duas cidades importantes”, afirma.

Testoni também avalia que há necessidade de mais obras além da duplicação. É o caso das alças de acesso no cruzamento com a BR-101 e o trevo com a BR-470, por exemplo.


Você está lendo:  Itajaí planeja desenvolver região limítrofe a partir da rodovia


Veja outros conteúdos do especial:

Introdução

O transporte ferroviário

– Ferrovias em Brusque: altos e baixos na história

– Carlos Renaux: precursor no transporte ferroviário

– A história do túnel ferroviário na Antônio Heil

– Para que serviria uma ferrovia no município

– O início e o fim da linha férrea no Vale do Itajaí

– Panorama atual: projetos para novas ferrovias


O transporte rodoviário

– O impacto econômico da duplicação da Antônio Heil

– A duplicação e o fortalecimento do turismo de compras

– A história da Antônio Heil: uma década em construção

– Obras de duplicação empacam com atrasos e burocracia

– Falta de investimento em infraestrutura custa vidas

– Complexo portuário depende das rodovias para crescer

– Manutenção constante: desafios do transporte rodoviário

– Duplicação torna Brusque mais atrativa a investidores