JASC: Brusque perde para Itajaí e fica com o bronze no vôlei de areia feminino

Assim como no ano passado, Josi e Piluca perdem para Andrea e Paola e se despedem do sonho dourado

JASC: Brusque perde para Itajaí e fica com o bronze no vôlei de areia feminino

Assim como no ano passado, Josi e Piluca perdem para Andrea e Paola e se despedem do sonho dourado

As atletas do vôlei de areia de Brusque, Josi e Piluca, se despediram da luta pela medalha de ouro dos Jogos Abertos de Santa Catarina. O sonho de conquistar o primeiro lugar novamente parou em Andrea e Paola, de Itajaí. Desta vez o revés veio na luta por uma vaga na finalíssima. As anfitriãs não deram chances para as brusquenses e venceram por 2 sets a o. Parciais de 21 a 16 e 21 a 12.

Leia também: Braian e Nelsinho garantem medalha no naipe masculino

Depois de dois bons jogos pela manhã, quando ganharam de Florianópolis e Blumenau, Josi e Piluca voltaram a cometer falhas que foram cruciais diante a qualidade das rivais. Andrea e Paola foram precisas nos arremates, aproveitaram muitos erros das atletas de Brusque, sobretudo de saques, e não tiveram dificuldades para assegurar vaga na final diante de Balneário Camboriú.

Para Josi e Piluca restou a lamentação de mais um ano ficar pelo caminho em busca do principal título da modalidade no Estado. A primeira já tem dez medalhas douradas de Jasc no currículo, enquanto a veterana Piluca ainda buscava seu primeiro título. “O sentimento é de raiva. Não sei nem o que dizer. Parece que quem menos treina é quem ganha. Vou usar esta estratégia ano que vem, talvez eu consiga um resultado melhor”, desabafou uma nervosa Piluca, ainda com olhos marejados.

Não menos chateada, Josi também desabafou. “O esporte, principalmente o vôlei de praia, você não ganha na sorte, somente no talento. Tem que ganhar no comprometimento também. E acho que faltou um pouco mais de comprometimento no jogo, de realmente acreditar e assumir”, disse ela. Questionada sobre o que considerava como ‘comprometimento’, Josi disse que respondia por si, mas deu a entender que faltou um pouco de entendimento com a companheira e amiga Piluca para sair das adversidades das partidas. Em tom duro, não poupou criticas diante a eliminação.

“Cabeça de atleta é cabeça de atleta. Você tem ou não . E o vôlei de praia é uma dupla. E se uma da dupla não tem cabeça de atleta, fica difícil. Hoje o vôlei de praia é um esporte profissional, não amador. Não é um jogo de pelada mais, como era há dez anos. O voleibol evoluiu muito e se você não tem cabeça de atleta é muito difícil você chegar a uma final”.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio