Justiça Federal determina afastamento de Ciro Roza da chefia de gabinete da prefeitura

Ministério Público Federal alega que a nomeação de Roza contraria decisão judicial confirmada em três instâncias

Justiça Federal determina afastamento de Ciro Roza da chefia de gabinete da prefeitura

Ministério Público Federal alega que a nomeação de Roza contraria decisão judicial confirmada em três instâncias

O juiz Clenio Jair Schulze, da 1ª Vara Federal de Brusque, decidiu no fim da tarde desta quinta-feira, 9, que o chefe de gabinete Ciro Roza deve deixar o cargo que ocupa na Prefeitura de Brusque em até 24 horas.

O Ministério Público Federal (MPF) alega que a nomeação de Roza contraria decisão judicial confirmada em três instâncias.

A decisão acata pedido do Ministério Público estadual, que remeteu ofício ao MPF no dia 17 deste mês, solicitando a atuação do órgão para executar a pena que havia sido aplicada a Roza no processo criminal que correu na Justiça Federal e que já havia sido confirmada em primeira e segunda instâncias.

Como o processo criminal tramitou na Justiça Federal, somente o MPF poderia intervir para o fim de solicitar a execução da pena.

Tão logo recebeu a documentação, o MPF ajuizou pedido de execução provisória da pena, determinando o cumprimento da sanção, que inclui sua inabilitação para o cargo ou função pública.

Esta é a segunda vez que a Justiça determina o afastamento do ex-prefeito.

A condenação

O ex-prefeito foi condenado pela Justiça Federal por desvio de dinheiro público em benefício da Empresa Industrial Técnica, em 2001, quando era prefeito.

Na decisão, Roza foi condenado à perda do cargo público e inabilitação para o exercício de cargo ou função pública por cinco anos.

  • Mais informações no decorrer desta sexta-feira, 10
Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio