Lideranças políticas de Brusque avaliam proposta de parlamentarismo para o Brasil

Possibilidade de troca de sistema de governo gera posicionamentos distintos

Lideranças políticas de Brusque avaliam proposta de parlamentarismo para o Brasil

Possibilidade de troca de sistema de governo gera posicionamentos distintos

A troca do sistema presidencialista pelo parlamentarista gera discussão entre a classe a política de Brusque. Com bandeiras e ideologias antagônicas, os caciques têm posicionamentos contrários, um exato reflexo do que já acontece no Congresso Nacional – onde a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) tramita.

O parlamentarismo é um tema que de vez em quando volta à tona no Congresso Nacional. Nesse sistema – adotado em várias nações de primeiro mundo, como França e Portugal -, há o presidente e o primeiro-ministro.

Conforme a PEC, de autoria do agora ministro de Relações Exteriores Aloysio Nunes (PSDB-SP), para o Brasil, o presidente será eleito pelo voto popular, mas terá funções de chefe de Estado. Ele será o chefe das Forças Armadas, terá mandato de quatro anos e deverá indicar o primeiro-ministro.

O primeiro-ministro, por sua vez, deverá passar por votação no Congresso Nacional. Ele terá funções de governo e deverá formar um gabinete, com os ministros, se conseguir a maioria dos votos dos partidos no parlamento.

Para o vice-prefeito Ari Vequi (PMDB), do mesmo partido do presidente da República, Michel Temer, que apoia publicamente o parlamentarismo, o sistema é mais eficiente e garante continuidade ao país.

O argumento dele, assim como o de alguns cientistas políticos, é que o Brasil já vive um parlamentarismo às avessas. O presidente vive engessado por um Congresso Nacional que é compostos por 30 partidos.

A cada crise, a Presidência tem de negociar cargos e emendas parlamentares para garantir a governabilidade. Quando reluta em fazê-lo, entra em rota de colisão com os deputados e senadores e, via de regra, fica paralisada.

Na visão de Vequi, o parlamentarismo apenas oficializaria as negociações que já acontecem sistematicamente no seio do governo e daria mais governabilidade e transparência. “Teria-se noção e clareza de quem está fechado com o governo ou não”, afirma.

O peemedebista tem a opinião de que a crise do impeachment poderia ser resolvida mais rapidamente se, à época, fosse o sistema parlamentarista. O Congresso Nacional poderia aprovar uma moção de censura e o governo cairia, sendo formado um novo, com outro primeiro-ministro.

O presidente do PSD de Brusque, Ivan Martins, diz que o presidencialismo é melhor. Ele acredita que o ponto central de qualquer sistema de governo é a ética com a qual ele é conduzido.

“No meu entendimento, o presidencialismo é melhor, o que precisa é de pessoas sérias e honestas lá”.

Contra
O presidente do PT de Brusque, Cedenir Simon, afirma que a discussão sobre o parlamentarismo é despropositada neste momento. Para o petista, o atual Congresso Nacional não tem moral para propor uma reforma política porque legisla em benefício próprio.

“Defendemos uma Assembleia Constituinte específica para a reforma política, porque o atual Congresso não tem moral nenhuma”, diz. Ele classifica o atual parlamento como fisiologista.

Consulta popular
Um dos pontos principais da proposta do parlamentarismo no Brasil é a consulta ou não ao povo. Em 1963 e em 1993, foram realizados plebiscitos sobre o sistema de governo e de Estado, nos quais a República presidencialista foi o modelo escolhido.

O presidente Michel Temer já deu declarações de que não descarta o parlamentarismo já em 2018. Nesse caso, não haveria plebiscito, apenas a votação de uma PEC na Câmara dos Deputados e no Senado.

Fragilizado após o pedido de impeachment e sofrendo pressões de todos os lados, o governo precisaria de 308 votos na Câmara e 49 no Senado.

Para o presidente da Câmara de Brusque, Jean Pirola (PP), deve-se aprofundar a discussão sobre os sistemas de governo. Mas independentemente disso, o direito à escolha popular deve ser mantido.

A troca do sistema presidencialista pelo parlamentarista gera discussão entre a classe a política de Brusque. Com bandeiras e ideologias antagônicas, os caciques têm posicionamentos contrários, um exato reflexo do
Conteúdo exclusivo para assinantes

Para ler todas as notícias, assine agora!

Oferta especial para você ficar
bem informado SEM LIMITES

Menos de

R$ 0,35
ao dia
R$ 9,90 ao mês
Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio