Mais de 19 mil trocas de DDD foram realizadas no primeiro trimestre

Portabilidade na área de abrangência de Brusque corresponde a 28% do total de Santa Catarina

Mais de 19 mil trocas de DDD foram realizadas no primeiro trimestre

Portabilidade na área de abrangência de Brusque corresponde a 28% do total de Santa Catarina

Somente no primeiro trimestre de 2015, 984 mil usuários de telefones fixos e móveis realizaram transferências de operadoras de telefonia no Brasil. Só em Santa Catarina, de acordo com o relatório divulgado pela Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações (ABR Telecom) – entidade administradora da portabilidade numérica no país – foram mais de 66 mil trocas. Desse total, quase 30 mil foram de usuários de telefonia fixa, e 36 mil de telefonia móvel.

O DDD 47 – que abrange os municípios de Brusque, Guabiruba e Botuverá, entre outros – registrou pouco mais de 19 mil trocas de operadoras. Dessas, 11 mil em telefonia fixa e quase 18 mil na telefonia móvel.

Em Brusque, cerca de 85% dos atendimentos realizados em loja da operadora Vivo são para tirar dúvidas e realizar a portabilidade numérica. “Realizamos muito a portabilidade aqui. Ela é causada, principalmente, pela falta de sinal. Então, a dúvida dos clientes é se realizando a portabilidade ele passará a ter um serviço melhor”, diz a vendedora Luana Dias.

De acordo com o diretor administrativo do Procon de Brusque, Anderson Merlo, não é comum o órgão receber reclamações sobre portabilidade. “Neste mês foram abertas apenas duas Cips (Cartas de Informações Preliminares) sobre portabilidade. Nesses casos, foi por descumprimento do prazo para realizar a troca”, diz.

Segundo ele, o prazo máximo estipulado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para que as operadoras realizem a portabilidade é de cinco dias úteis. “Se a operadora não cumpre o prazo, o Procon pode notificar. A resolução da Anatel diz que a pessoa pode pedir portabilidade várias vezes no mês. É uma forma de o consumidor testar os serviços e escolher o melhor”.

Merllo explica que todo o processo de portabilidade é realizado de uma operadora para outra. “Basta a pessoa entrar em contato com a operadora desejada, que eles avisam a antiga operadora da mudança. O processo é feito entre eles. Não é a operadora que ele está saindo que realiza a portabilidade, mas a que ele está entrando”.

Para fazer a portabilidade é preciso:

– Informar o nome completo
– Comprovar a titularidade da linha telefônica
– Informar o número do documento de identidade
– Informar o número do registro no cadastro do Ministério da Fazenda, no caso de pessoa jurídica
– Informar o endereço completo do assinante do serviço
– Informar o código de acesso
– Informar o nome da operadora de onde está saindo

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio