Manifestação contra a corrupção é realizada em Brusque

Dezenas de pessoas se reuniram na praça Sesquicentenário, no Centro, neste domingo

Manifestação contra a corrupção é realizada em Brusque

Dezenas de pessoas se reuniram na praça Sesquicentenário, no Centro, neste domingo

Algumas dezenas de pessoas realizaram manifestação pacífica na tarde deste domingo, 4, na praça Sesquicentenário, em Brusque. O movimento segue a onda de protestos que é realizada em todo o país, tendo como principal alvo o Congresso nacional.

O ato, convocado via redes sociais pelo Movimento Brusque Contra a Corrupção (MBCC), teve como principal objetivo manifestar apoio à Operação Lava Jato, que sofreu um duro golpe após a articulação da Câmara dos Deputados que, na calada da noite, aprovou proposta que desfiguraram o projeto de 10 medidas contra a corrupção, proposto pelo Ministério Público Federal (MPF).

A proposta de anistia ao caixa 2, também vislumbrada pelo Congresso, foi outro alvo dos manifestantes, assim como fim do foro privilegiado para parlamentares e ministros de Estado.

A manifestação teve apoio de diversas entidades, como Acibr, CDL, ABM e a regional de Brusque do Sindicato dos Médicos (Simesc). Laércio Cadore, presidente do Simesc, diz que o Congresso não está agindo de acordo com os interesses da população, e por isso deve ser pressionado nas ruas.

“As medidas que a população pediu o Congresso deturpou. Isso não é o que o povo quer. As medidas contra a corrupção não podem favorecer esse bando de ladrões”, disse Cadore. “Quando o país deixar de ser surrupiado, sobrará dinheiro para ser investido em saúde e educação”.

Hermes Humberto Heinig Filho, empresário, disse que a população não pode ter medo de protestar, e reclamou das pessoas que só se manifestam via redes sociais, mas não participam dos movimentos de rua.

“A hora de protestar é essa. Mostrar que a gente não está contente com os políticos, que estão roubando. Ficar no Facebook não adianta, não adianta ficar em casa”, afirmou ele, que também pediu uma adesão maior dos empresários aos protestos.

Do alto do carro de som, um dos organizadores, Ronald Kamp, discursou aos presentes sobre a manobra do Congresso, a qual permitiu grandes alterações na legislação que trata dos crimes de corrupção, proposta pelo MPF.

“Os políticos estão rindo na nossa cara, e ainda cobrando hora extra. Vocês têm ideia de quanto custou fazer aquela sessão àquela hora da madrugada”, discursou, referindo-se à votação das 10 medidas, feita durante a madrugada, um dia após o desastre aéreo envolvendo a Chapecoense, que tambem foi lembrada no protesto, com uma faixa e minuto de silêncio respeitado em memória dos falecidos.

Em seu discurso, ele também disse que o PT “é uma página virada”, referindo-se ao impeachment de Dilma Rousseff, mas afirmou que outros partidos têm culpa da situação que passa o país.

“Não sobra um partido que não tenha pessoas corruptas”, disse.

Durante o evento, foram distribuídos adesivos aos presentes, para serem colados em seus carros, com a já conhecida frase: “Eu apoio Lava Jato”. Segundo os organizadores, o foco das manifestações populares deve ser a garantia da independência da operação.

 

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio