Até hoje, Mário Gianesini é o maior expoente do esporte botuveraense a nível profissional. Atualmente com 66 anos, ele ainda mora na cidade e levou por todo o Brasil o nome da cidade de Botuverá aos holofotes.

Mário Botuverá, como era conhecido,  além de destaque como meia e ponta no futebol profissional, contribuiu na cidade como professor de Educação Física e treinador de vários jovens jogadores.

Mário (5) em atuação pelo Juventus-SP | Foto: Arquivo pessoal

“Meu apelido era Mário Botuverá. O pessoal chegou a me assistir na televisão, na Taça de Prata, com o Juventus e o Guarani. Joguei no Beira Rio, Maracanã, Mineirão, Couto Pereira, Serra Dourada. Marquei Falcão no Beira Rio, joguei contra Sócrates e ganhamos de 1 a 0 no Pacaembu, contra o Júnior, Zico, Bebeto, Romário na época de Flamengo”, lembra.

Botuverá Brasil afora

No total, Mário atuou em nove clubes profissionais. Ele começou no Paysandu, em Brusque, passou pelo Carlos Renaux, e depois se aventurou pelo Brasil. No seu primeiro time fora de Santa Catarina, a Anapolina (GO) conheceu a esposa Shirley Costa Gianesini, e conseguiu muito destaque, sendo reconhecido como o melhor de sua posição em consecutivas rodadas do Campeonato Goiano.

Jornal de Anápolis noticiou negociação de Mário com o Guarani | Foto: Arquivo pessoal

Ele acredita que sua melhor fase na carreira, porém, foi no Juventus, seu segundo time em São Paulo, após passagem pelo Guarani. Ele atuou por cinco anos no Moleque Travesso, com vários momentos marcantes. “A gente aprontava em cima dos grandes, ganhamos do Corinthians, São Paulo, Santos”.

Mário ficou cinco anos no Juventus em sua primeira passagem, e mais um ano na segunda, e conquistou a Taça de Prata de 1983, o equivalente atual da Série B do Campeonato Brasileiro.

Inicialmente, ele foi emprestado pela Anapolina ao Juventus, mas uma partida contra o Palmeiras foi decisiva para ampliar sua passagem no Moleque Travesso. Ele marcou dois gols em um empate com o Palmeiras por 2 a 2 e, depois disso, técnico e presidente decidiram comprar o passe, na época por 5 milhões de cruzeiros.

Mário jogou em clubes de SC, GO, SP, SE e PE | Foto: Arquivo pessoal

Ele ainda jogou no Itabaiana (SE) e no Sport Recife, antes de retornar para Santa Catarina, onde atuou em seus dois últimos clubes na carreira: o BEC, de Blumenau, e o Marcílio Dias, em 1990.

Ainda no BEC, Mário viveu um de seus momentos mais marcantes da carreira. Ele foi o autor do gol único marcado em um amistoso realizado no estádio do Sesi contra o Flamengo, comandado por Zagallo e com nomes históricos como Zico e Bebeto em campo. O tento anotado por ele teve repercussão estadual e nacional, e está na memória até hoje.

“Foram para ver Zico, Bebeto, mas assistiram Mário Botuverá no Sesi. Foi um amistoso, o Zagallo era o técnico na época, era preparação para os campeonatos deles. Em um contra-ataque, eu joguei de centroavante aquela partida, fiz o gol. O Zico não pode dar a camisa dele, então fiquei com a do Bebeto”, conta.

Mário guarda várias camisas e fotos como lembrança da carreira | Foto: Bruno da Silva

História em casa

Antes de se tornar profissional, Mário se esforçou muito. Ele conta que colocava um pneu pendurado em casa e ficava chutando para tentar acertar o centro, além de muitas embaixadinhas, para afinar o controle de bola.

Quando jovem, ele jogava na União, em Botuverá, mas foi descoberto quando atuava pelo Cedrense, em Brusque. “Em um campeonato amador, a final foi no Augusto Bauer, e o dono da Appel e da Copal foram assistir e depois vieram aqui me convidar para jogar campeonato profissional. Aí fui para o Paysandu e depois para o Carlos Renaux, que foi onde me destaquei e fui chamado para jogar na Anapolina”.

Depois que encerrou a carreira profissional, jogou no futebol amador de Botuverá por muitos anos, e os filhos atualmente também jogam. Além disso, desenvolveu um trabalho memorável com as crianças botuveraenses.

Passando conhecimento

O responsável por colocar Mário para ensinar futebol em Botuverá foi o ex-prefeito Moacir Merizio. O trabalho, que incluiu a disputa de várias edições do Moleque Bom de Bola, durou cerca de 10 anos e deixou muitas lembranças boas e enriquecedoras ao ex-jogador.

“Quando eu treinava, uma vez por mês, ficávamos o dia todo disputando torneios no Sesc em Brusque, moleques de 10 a 16 anos. Várias vezes levantamos o caneco. Treinava quase 40 meninos, e as meninas também. Nessa fase que se descobre os talentos. Eu ia nas empresas pedir jogos de camisas para os meninos, e eles faziam o negócio. Cederam muitas camisas para a gente. A gente fazia, colocava o patrocínio e só mandava a nota”.

Mário trabalhou como treinador por cerca de 10 anos | Foto: Arquivo pessoal

Mário lembra que, na época em que apenas sonhava em ser profissional, existiam muitas escolinhas e também outros colegas que tinham potencial para chegar onde ele chegou, mas que é necessário muito treino.

“Se o menino ou a menina gostam de futebol, você tem que designar como tem que correr, chutar. É igual aprender o alfabeto na escola. Ensinar que tem que andar na ponta dos pés, sempre com a cabeça levantada. Hoje é ruim porque tem esse celular, mas é preciso incentivo”.

Para que mais jovens consigam se destacar no cenário profissional, Mário acredita que é necessário investimento do poder público para incentivar e dar esperanças de um futuro no esporte.

“Tem muito menino bom de bola. Hoje, tem só uma escolinha na cidade. A prefeitura teria que dar o material e também profissionais para treinar com as crianças nos bairros. O material é caro. No sábado, tirar o menino do videogame para ir nos campos dos bairros, levar um dia para jogar em Brusque. Pode ter certeza que os jovens vêm, tanto meninos, quanto meninas”, garante.


Você está lendo: – Mário Botuverá levou o nome da cidade pelo Brasil e voltou para treinar jovens


Leia também: 

– Futebol Bergamasco: o almanaque do amador de Botuverá

– Após fusão, Águas Negras emerge com a força da comunidade

– Areia Baixa se consolida por meio da iniciativa de “filho” do bairro

– Fundado na década de 1960, Figueira venceu seis dos últimos dez campeonatos em Botuverá

– Bicampeão municipal, Flamenguinho deixa as lembranças de um tempo bom

– Com remanescentes desde a fundação, Gabiroba se estabelece como força do amador

– Famoso por torneio realizado há mais de três décadas, Grêmio mostra força da tradição

– Los Bandoleiros tem sucesso meteórico e acumula conquistas

– Pioneiro em Botuverá, Ourífico ostenta história de mais de 80 anos

– Fundador, presidente e dono do estádio: Paulo Sorer é a cara do Sessenta

– Campeão municipal quatro vezes, União deixa futebol no passado

– Vila Nova chegou a ter dezenas de sócios, mas sofre com desmobilização da comunidade

– Mais condições, menos compromisso: times de Botuverá sofrem com perda de interesse dos jovens

– GALERIA – Conheça os campos dos times amadores em Botuverá

– Atrás do sonho de serem atletas profissionais, jovens de Botuverá se aventuram pelo Brasil

– Apaixonados pelo esporte, irmãos Leoni levam o futebol nas veias

– Destaque do futebol amador, Nando foi para Botuverá quando criança e não saiu mais

– Time de futebol feminino de Botuverá disputou campeonatos fora da cidade

– “Gosto de viver perigosamente”: árbitro conta histórias sobre organização de torneios em Botuverá

Deixe uma resposta