Menino com Síndrome de Down realiza sonho de conhecer e brincar na Havan

Escola descobriu que Leandro é muito fã da loja brusquense e conseguiu um dia de diversão no local

Menino com Síndrome de Down realiza sonho de conhecer e brincar na Havan

Escola descobriu que Leandro é muito fã da loja brusquense e conseguiu um dia de diversão no local

A paixão do menino Leandro Benvenutti Duarte, 11 anos, pela Havan, proporcionou uma manhã que vai ficar marcada para sempre na memória dos 14 alunos da 5ª série B, da Escola de Ensino Fundamental Oscar Maluche, do Steffen.

Leandro tem Síndrome de Down e só agora está iniciando seu processo de alfabetização na escola. Ele é acompanhado de perto pelo educador social Marcelo da Silva Gomes que desde o início notou no menino uma adoração pela rede de lojas brusquense.

“Tem algumas coisas que são do interesse dele e uma delas é a Havan. Em todos os seus desenhos, trabalhos da escola, tem uma Havan. Começamos a estimulá-lo e junto com a turma, fomos aprofundando esse gosto que ele tem pela loja”, conta.

Veja também:
Casos de cinomose disparam e causam morte de cães em Brusque

Quatro novas ruas farão parte da Área Azul em Brusque

Brusque conta com única franquia russa de cafés fora do país de origem

 

Durante as atividades em sala de aula, para chamar a atenção de Leandro, os colegas faziam cartazes relacionados à loja de departamento. Certo dia, o educador social e a professora regente da turma, Fabiana Elisa Gomes, montaram para Leandro uma fantasia da Estátua da Liberdade, que é o símbolo da Havan. Outro dia, eles confeccionaram uma fantasia do robô da Havan para o menino, que interagiu e divertiu, inclusive, alunos de outras turmas.

“Ele fazia muita referência ao parque da Havan e também ao túnel que é o estacionamento. No dia que ele se vestiu de robô, decidimos gravar um vídeo e postar na página da escola no Facebook, com a intenção que chegasse até o pessoal da Havan”, lembra o educador social.

Em menos de uma hora após a postagem, a equipe da Havan entrou em contato com a escola convidando a turma para ir até a loja. O grande dia foi na quarta-feira, 21. Leandro e os colegas tiveram uma grande recepção na loja, inclusive com a presença do empresário Luciano Hang, que fez questão de conhecer o menino que é fã número um da sua loja.

“Foi muito emocionante. Conhecemos o centro administrativo, tiramos fotos com o robô, com a Liberdade. O Leandro estava muito feliz. Um pouco ele chorava de emoção, depois já estava rindo”, diz a professora Fabiana.

Toda a turma se divertiu muito e, para a maioria, foi a primeira oportunidade de brincar no parque que fica dentro da loja. “Percebemos que muitas das crianças não saem da comunidade. O fato de ir até a Havan foi um grande acontecimento para eles. Teve aluno que perguntou se a Beira Rio era a BR-101, porque nunca tinha passado por ali”, comenta a professora.

Veja também:
Complexo de Saúde, Esporte e Lazer do Paquetá está destruído e sem perspectivas de reparos

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

ESPECIAL: Assista ao documentário sobre a tragédia de 2008 em Blumenau

Os alunos brincaram no parque e ganharam almoço oferecido pela 10 Pastéis. Leandro ainda ganhou dez passaportes para voltar ao parque junto com suas duas irmãs, que são gêmeas. “Foi a realização de um sonho para o Leandro e também para os outros. Fomos muito bem acolhidos pela Havan e pelo Luciano que adiou uma viagem em algumas horas para poder conhecer o Leandro”.

Inclusão
A professora Fabiana diz que este momento especial para Leandro só foi possível graças ao trabalho de inclusão que é realizado na escola. “Muitas vezes, se não tem o educador social não se consegue incluir e aqui nós tentamos de várias formas. Inserimos ele na turma”.

Leandro está aprendendo agora a falar e, pouco a pouco, está ampliando seu vocabulário. A professora diz que ele é inserido em todas as atividades realizadas pelos colegas que, inclusive, aprenderam a conviver com o menino de forma harmoniosa e inclusiva.

“Ele está aqui para aprender, então não posso pedir para ele sair da sala quando estou explicando para os outros, junto com o educador social, conseguimos inserir ele em tudo e ele aprende no tempo dele. E toda a escola tem essa postura. Trabalhando com a inclusão conseguimos ter um bom resultado”, finaliza a professora.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio