Conteúdo exclusivo para assinantes

Moradores ameaçam retirar tubos que barram passagem na ponte do Rio Branco

De acordo com vice-presidente da associação de moradores do bairro, pessoas estão organizadas para retaliação

Moradores ameaçam retirar tubos que barram passagem na ponte do Rio Branco

De acordo com vice-presidente da associação de moradores do bairro, pessoas estão organizadas para retaliação

O vice-presidente da Associação dos Moradores do Rio Branco, Rodrigo Voltolini, afirma que a população está preparada para derrubar os tubos que barram a passagem de carros na ponte que se encontra em obras no bairro, no rio Itajaí-Mirim.

A Secretaria de Obras havia feito o bloqueio nesta segunda-feira, 19, para que apenas pedestres, ciclistas e motociclistas tenham acesso. A obra foi iniciada em fevereiro de 2016 e tinha previsão para ser finalizada ao final daquele ano.

“Os moradores estão indignados. O que se comenta por aqui é que eles pensam em estourar os tubos que bloqueiam a passagem de carros nos próximos dias. Não irão esperar duas semanas, nem o fim de abril. Mas, como associação de moradores, não podemos apoiar esta atitude”, explica Voltolini. As ações de moradores para forçar a passagem pela ponte ainda inacabada contrariam completamente as orientações de segurança da prefeitura.

Cabeceiras improvisadas
A população também improvisou as cabeceiras da ponte, que ainda não foram construídas. Há duas semanas, moradores se organizaram para comprar material e fazer rampas de acesso e saída da ponte com areão, para que carros possam passar, um de cada vez. Voltolini afirma que não sabe quem organizou a compra do material e a improvisação das rampas.

“A população quis mostrar que, com muito pouco, seria possível fazer funcionar, sem tanta burocracia. Estão indignados com isso.”

A obra
Segundo o Departamento Geral de Infraestrutura (DGI), o planejamento é de que a obra seja concluída ainda em abril. Para a finalização dos serviços, a empresa programa o enrocamento nas margens do ribeirão, implantação de guardas corpos, sinalização vertical e horizontal.

A ponte começou a ser construída em fevereiro de 2016, e deveria ter sido concluída no final daquele ano. Em setembro de 2016, porém, a data foi adiada para o fim do primeiro semestre de 2017. Na ocasião, a obra já tinha 100% de sua fundação concluída. As quatro vigas principais, de 40 metros, já haviam sido concretadas. O problema estava na concretagem de outras vigas, que consiste em um processo lento, e em uma quantidade de funcionários menor do que havia no começo da obra.

A obra foi viabilizada por meio de recursos do Fundo de Apoio aos Municípios (Fundam) do governo estadual. O custo total inicial é de R$ 3.387.143,97. O acesso terá 90m de extensão, oito metros de largura, com vão livre de 40m, ou seja, sem nenhum pilar dentro do rio. Antes do início da obra, o projeto sofreu adequações: a ponte ficou 1,5 metro mais alta, como forma de garantir a segurança da população em períodos de cheia. Em fevereiro de 2018, o DGI verificou a necessidade mais R$ 200 mil para finalizar a ponte do Rio Branco.

 

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio