Na Série D, Brusque terá orçamento 50% menor do que no Catarinense

Teto de gastos com a folha salarial da equipe será de R$ 80 mil

Na Série D, Brusque terá orçamento 50% menor do que no Catarinense

Teto de gastos com a folha salarial da equipe será de R$ 80 mil

Na primeira semana pós Campeonato Catarinense, os bastidores do Bruscão se agitaram. Três atletas que defenderam o time na temporada, Cleyton (América-RN), Leilson (Juventude) e Eliomar (Joinville), já foram contratados oficialmente por outros clubes, e pelo menos mais quatro titulares na campanha do estadual devem anunciar nos próximos dias um futuro fora do berço da fiação catarinense.

Com o time desmanchado, a diretoria do quadricolor se movimenta em busca do elenco que defenderá o time na Série D, competição que terá início daqui menos de um mês. O martelo foi batido, pelo menos, no que se refere ao orçamento da equipe. Segundo o presidente Danilo Rezini, a folha salarial de atletas e comissão técnica será 50% menor do que o que foi gasto no catarinense – ou seja, um teto de R$ 80 mil.

Porém, o projeto é para reduzir ainda mais os custos com os salários. “Pretendemos que seja até R$ 60 mil. Isso, é claro, diz respeito apenas ao salário da comissão e do elenco, e não está sendo levado em consideração os encargos”, completa.

O presidente comentou também sobre a possível vinda de atletas da Chapecoense por empréstimo. Maninho, presidente do Verdão do Oeste, havia proposto colaborar com o Brusque em conversa com Rezini. “Na próxima segunda-feira entrarei em contato com ele e solicitarei uma lista de jogadores, para ver se há interesse no empréstimo de algum por parte da comissão e da diretoria”.

Dinheiro da Copa do Brasil
Dos mais de R$ 700 mil gerados com a participação do Brusque na Copa do Brasil 2017, pouco sobrou para a diretoria investir no elenco da Série D. Isso, segundo Rezini, se deve pelas dívidas do clube. Na fonte dos pagamentos, R$ 70 mil foram retidos graças a um bloqueio judicial por dívidas trabalhistas.

Além disso, os gastos mensais, maiores do que a receita do clube, tiveram que ser compensados com o lucro obtido na competição nacional, conforme explica o presidente. “O que as pessoas não veem é que o time tem despesas que ficam sem serem pagas, gastos com restaurante, aluguel de apartamento. Então quando entra um dinheiro é para pagar o que devemos”, diz.

Beuting permanece
Ontem à tarde o Brusque confirmou, por meio de nota, a permanência do diretor de futebol Carlos Beuting. Como noticiado pelo O Município, ele havia cogitado deixar a equipe após desentendimentos com a torcida, ao fim do jogo contra o Inter de Lages.

 

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio