Número de declarações de imposto de renda na região é acima da média nacional

Crescimento foi de 10% em Brusque, Guabiruba e Botuverá, enquanto no país foi de 3,8%

Número de declarações de imposto de renda na região é acima da média nacional

Crescimento foi de 10% em Brusque, Guabiruba e Botuverá, enquanto no país foi de 3,8%

O número de declarações de Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) em Brusque, Guabiruba e Botuverá cresceu 10% em relação ao ano passado. O volume é mais que o dobro da média nacional, que foi de 3,8%, de acordo com a Receita Federal. Botuverá foi o destaque, com acréscimo de 24% mais acertos de contas do que em 2014.

Segundo números da delegacia da Receita Federal de Brusque, 22.312 pessoas prestaram contas com o leão neste ano. Antes do fechamento do prazo, em 30 de abril, eram esperados 20.390, projeção de crescimento de 2%. Na comparação entre os dois anos, a diferença é de 9%. Ainda na região, 3.103 guabirubenses declararam o IRPF, ante 2.788 em 2014, aumento também de 9%. “Tivemos surpresa com o índice de declarações, foi maior do que o esperado”, afirma Rosemari Glatz, chefe da delegacia de Brusque da Receita Federal.

Em todo o Brasil, foram realizadas 27,8 milhões de declarações, enquanto o esperado pelo órgão era 27,5 milhões. Em 2014, foram registradas 26,8 milhões de prestação de contas.

Apesar do volume de declarações, ainda houve quem não entregou ou, até mesmo, quem errou as informações na hora de preencher. Neste caso, ainda há recursos para evitar cair na malha fina, explica Rosemari. A Receita Federal não pune o erro, inclusive, há uma fase anterior à malha fina, a malha do preenchimento, na qual o sistema e os analistas verificaram as declarações e os contribuintes são notificados para retificar.

“Os que não entregaram ainda podem entregar. A Receita Federal já abriu o sistema para a entrega dos atrasados”, afirma Rosemari. O sistema está aberto para consulta, no entanto, a recomendação da chefe da agência é que o contribuinte aguarde alguns dias para verificar a sua situação, porque a página ainda está sendo alimentada.

A multa por atraso é de R$ 165,74, ou 1% ao mês sobre o imposto devido, mesmo que já tenha sido pago. A multa máxima é de 20% do imposto. “Mas é muita exceção, geralmente, é a multa mínima”, afirma.

Restituição

A restituição do IRPF inicia em 15 de junho e será liberada em sete lotes, no dia 15 de cada mês. Quem entregou mais cedo a declaração recebe mais cedo. No entanto, contribuintes com deficiência física, idosos com mais de 60 anos de idade e portadores de doenças graves têm preferência.

O que fazer em caso de atraso

O contribuinte que ainda não declarou o Imposto de Renda deve acessar o Receitanet (sistema) e verificar a sua situação. É possível fazer a declaração normalmente, porém, será cobrada uma multa de R$ 165,74 até 20% do valor devido. Quanto mais demora, mais paga, há acréscimo de 1% sobre o IRPF devido.
Mau preenchimento

Quem preencheu alguma informação errada ainda dentro do prazo de declaração não terá de pagar multa, mas deve retificar assim que possível. Para isso, o contribuinte deve acessar o sistema da Receita Federal e selecionar o tipo de declaração que deseja, no caso, a “declaração retificadora”. É preciso informar o número do recibo anterior, se não tiver, deve ir à delegacia da Receita Federal mais próxima. Como já passou o prazo, não é mais possível trocar o modelo, de simplificada para completa e vice-versa. Se o erro não for reparado, há risco de cair na malha fina.

gráfico

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio