José Francisco dos Santos

Mestre e doutor em Filosofia pela PUC/SP, é professor na Faculdade São Luiz e Unifebe, em Brusque e Faculdade Sinergia, em Navegantes/SC e funcionário do TJSC, lotado no Forum de Itajaí/SC.

O diálogo impossível

José Francisco dos Santos

Mestre e doutor em Filosofia pela PUC/SP, é professor na Faculdade São Luiz e Unifebe, em Brusque e Faculdade Sinergia, em Navegantes/SC e funcionário do TJSC, lotado no Forum de Itajaí/SC.

O diálogo impossível

José Francisco dos Santos

Sócrates e Platão, os iniciadores da filosofia nos moldes em que ela se notabilizou e se tornou “clássica”, foram instigados ao filosofar por conta da retórica relativista dos chamados “sofistas”, que preparavam os jovens atenienses para a vida política. Uma característica do discurso sofístico, como ele nos foi repassado por Platão e depois por Aristóteles, é o seu descompromisso com a verdade. Na sofística, a relação entre linguagem e realidade é quebrada, de modo que o discurso humano é capaz de sustentar qualquer tese. Na retórica dos sofistas, o que interessa é o resultado prático que a ação política, que usa o discurso apenas como ferramenta, vai atingir.

Veja também:
Prefeitura de Brusque investiga fraudes no reembolso de medicamentos para servidores

Cervejarias demonstram interesse na concessão do novo pavilhão de Brusque

Funcionários elencam principais necessidades das UBS de Brusque

No período renascentista, essa ideia renasce com Nicolau Maquiavel, que cria um ser imaginário, um tal “príncipe” sem escrúpulos, que se estabeleceria pela força e pela persuasão, igualmente sem qualquer compromisso com a verdade e com a ética.
No mundo contemporâneo, a partir do século XIX, essas ideias voltaram a ganhar força.

Friedrich Nietzsche se propôs a solapar as bases de toda a cultura ocidental, estabelecida pelos gregos a partir de Sócrates, e pela moral judaico-cristã. Karl Marx afirmava que o seu papel e o dos seus seguidores não era mais interpretar o mundo, tentando entendê-lo, mas alterá-lo pela ação revolucionária.

Aliem isso a pensadores que se propõem a desconstruir a cultura, reinterpretando tudo de várias maneiras, de modo que ninguém nunca saiba o real significado de nada. Voltamos à velha sofística. A verdade não existe. Tudo é relativo.

Com essa mentalidade, pode-se defender qualquer coisa, mesmo que seja contra a lógica, já que mesmo os princípios fundamentais do pensamento, como o da identidade (uma coisa deve ser sempre idêntica a si mesma) e de não contradição (uma coisa não pode ser e não ser ao mesmo tempo, sob as mesmas circunstâncias) são questionados.

Essa é a cara do “debate” cultural contemporâneo. Não há mais diálogo algum entre posições divergentes, porque é impossível dialogar sem que as partes compartilhem de algum critério comum.

Veja também:
Como vítima de acidente teve estado de saúde piorado após cirurgia na perna

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Polícia desmonta casa de jogos de azar em Blumenau

Se dois católicos discutem, podem decidir a questão pelo uso de documentos da Igreja ou da palavra do papa, já que ambos os aceitam. Se for um católico e um luterano, podem usar a Bíblia. Se for um cristão e um hindu, podem apelar à crença na divindade e na vida após a morte. Se for um cristão e um ateu, podem usar os princípios da razão e do bom senso. Mas quando a própria razão é desprezada, restam apenas ações e discursos isolados em seus respectivos guetos, visando somente aos resultados práticos que interessam aos seus defensores.

Só assim é possível sustentar que é preciso soltar um presidiário, condenado em segundo grau, contra uma lei que ele mesmo assinou, porque ele é candidato a presidente. Ou que aborto é pauta legítima de direitos humanos, ou que não temos nenhuma identidade sexual, e por aí vai. Bem-vindos ao hospício. Este que vos escreve é Napoleão Bonaparte.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio