Acredita-se que o primeiro hotel de Brusque tenha sido o Hotel Schaefer. A data exata de seu início é incerta, sabe-se apenas que o prédio foi edificado no começo do século 20. 

Anúncio publicado no jornal Brusquer Zeitung, já informava, em 1912, sobre as novas instalações do hotel. “Este antigo e acreditado hotel acaba de ser reinstalado em um prédio novo, construído propositalmente para tal fim. Oferece todas as comodidades de um estabelecimento de primeira ordem, como sejam: aposentos espaçosos, bem arejados, salas para exposição de mostruários, etc. Serviço de mesa a toda hora”, diz a propaganda.

O prédio onde por muitos anos funcionou o hotel ainda existe e, com mais de 100 anos, é um dos mais antigos de Brusque. Está localizado na esquina da rua Adriano Schaefer com a Rui Barbosa.

Hotel Schaefer no início do século XX | Foto: Acervo Casa de Brusque

O hotel foi propriedade de João e Mathilde Schaefer. Ele foi superintendente da cidade, mas foi Mathilde que, naquela época, gerenciava a hospedaria. “Meu pai contava que ela é que cuidava sozinha de todo o hotel. Naquela época não era nada fácil”, conta Mariane Schaefer Minatti, filha mais nova de João Antônio Schaefer, o doutor Nica.

Muito querido na cidade, o médico – falecido em 2015 aos 97 anos – nasceu em um dos quartos do hotel de seus pais, em abril de 1918. Em suas lembranças, doutor Nica sempre relatava à família sobre a época de muito trabalho no Hotel Schaefer.

“Como meu avô faleceu muito cedo, o meu pai tinha apenas 9 anos, minha avó criou os três filhos sozinha e também administrava o hotel com uma ajudante. As duas que faziam todo o serviço. Meu pai e seus dois irmãos também tinham que ajudar nas tarefas”, destaca Mariane.

Tarcisio, Orlando e Nica cresceram no hotel e, ao mesmo tempo em que tinham seus afazeres, também faziam muitas travessuras. “Os três tinham pouca diferença de idade, então, logo depois que minha avó encerava todo o chão de madeira, eles iam lá e jogavam um balde de areia. Minha avó ficava muito brava”, diz.

Instalações do Hotel Schaefer na década de 1930 | Foto: Acervo Sociedade Amigos de Brusque

O hotel da família Schaefer era bastante movimentado. Era ali que muitos dos imigrantes recém-chegados na cidade ficavam até se estabelecerem na nova terra.

Por algum tempo, o hotel também abrigou o cinema da cidade, o Cine Esperança, que funcionou no salão da hospedaria e atraía inúmeros visitantes ao local.

O hotel funcionou até o fim da década de 1930, aproximadamente. “O hotel sempre foi da família Schaefer. Meu pai contava que o hotel ficou até quando ele tinha mais ou menos 15, 16 anos, quando ele foi estudar fora, e aí encerrou”.

O prédio histórico passou por várias reformas e restaurações. Depois do fim das atividades do hotel, abrigou a Rádio Araguaia, que ocupou o primeiro andar do prédio por alguns anos. Depois, também foi sede para o salão de barbearia Alvorada, que iniciou nos anos 1950 até 1980.


Você está lendo: O hotel da família Schaefer


Leia também:
– Introdução
– As aventuras e desventuras de Heinz Willrich
– A geladeira brasileira nasceu em Brusque
– O brusquense que criou Sadol e Melagrião
– A caleça de Rodolfo Pruner
– Pelas águas do rio Itajaí-Mirim
– O primeiro circular de Brusque
– Revolução no comércio de Brusque
– José Belli: exímio marceneiro e carpinteiro
– Banco catarinense, mão brusquense
– As aventuras do alfaiate Gustavo Krieger
– A loja dos brusquenses
– Anos de glória e queda da Casa do Rádio
– Brusque eternizada
– A breve e bela história da Rojan
– A história centenária das salas de cinema
– As cervejas que marcaram época
– Vida e morte da Loja das Malas
– História de 109 anos
– A pioneira da metalmecânica
– O inconfundível sabor da geladinha
– O primeiro jornal dos brusquenses
– A companheira dos brusquenses
– História centenária
– A fábrica de arroz do Bateas
– Helga Kamp, a proprietária da primeira escola de idiomas de Brusque
– O point chique dos anos 50 e 60