Oficialmente, o primeiro jornal de Brusque nasceu no dia 1º de janeiro de 1912. Criado a partir de uma sociedade de acionistas presidida por Otto Renaux, coube ao Brusquer Zeitung escrever as primeiras linhas da história da imprensa do município.

Seguindo o modelo dos primeiros jornais de Santa Catarina, o Brusquer Zeitung circulou no idioma alemão, já que naquela época havia pouco conhecimento da população brusquense sobre o português.

No Álbum do Centenário de Brusque, Ayres Gevaerd relata que antes do surgimento do Zeitung, as notícias sobre Brusque e as publicações oficiais da cidade eram realizadas nos jornais de Blumenau e Itajaí.

Ayres também relata que o jornal O Novidades trazia notícias de Brusque, mas em vernáculo, ou seja, no idioma próprio do país: o português, o que tornava sua compreensão difícil pela população, pois não havia ensino público e o ensino privado era realizado no idioma alemão.

Primeira edição do Brusquer Zeitung, publicada em janeiro de 1912 | Foto: Museu Casa de Brusque

Por este motivo, Otto Gruber idealizou um jornal próprio para Brusque e uniu-se a Otto Renaux, que mantinha uma livraria e tipografia,  para torná-lo realidade. De acordo com Ayres Gevaerd, Gruber foi o primeiro redator do Brusquer Zeitung. Depois, Carlos Renaux assumiu a função, de 24 de abril de 1915 a 13 de novembro do mesmo ano e, em seguida, Moritz von Schoenebeck.

Em seu artigo no Álbum do Centenário de Brusque, Ayres Gevaerd diz que a propaganda dos sentimentos e cultura germânica presentes na época também pode ter contribuído para o surgimento do jornal.

“Não faltavam, no período que antecedeu à primeira grande guerra, espíritos exaltados, e sua influência na comunidade era realmente grande”, diz.

O jornal tinha quatro páginas, e segundo artigo publicado pelo historiador da Fundação Cultural de Brusque, Álisson Castro, na Sala Brusque Virtual, o Brusquer Zeitung trazia além de notícias locais, informações internacionais, sobretudo da Alemanha, e acontecimentos de outros estados brasileiros.

Dois anos após a primeira edição em alemão, nasceu a versão em língua portuguesa do jornal, denominada Gazeta Brusquense, que circulou junto com a versão em alemão. A Gazeta Brusquense seguiu até 1927.

Já o Brusquer Zeitung circulou até 1917 quando o governo brasileiro determinou a suspensão de publicações em alemão, devido à declaração de guerra à Alemanha.

Outros registros
O Brusquer Zeitung é considerado o primeiro jornal de Brusque, entretanto, o livro História dos Jornais de Santa Catarina (1831-1948), de José Arthur Boiteux, Lucas Alexandre Boiteux e José Lupércio Lopes, relata que em 1896 surgiu em Brusque o jornal Sonntagsblatt Fur Die Evangelischen Gemeiden in Sts. Catharina.

Segundo a publicação, o jornal tinha como proprietário e redator o pastor de Brusque Guilherme Lange. O periódico circulou, pelo menos, até 1906. 


Você está lendo: O primeiro jornal dos brusquenses


Leia também:
– Introdução
– As aventuras e desventuras de Heinz Willrich
– A geladeira brasileira nasceu em Brusque
– O brusquense que criou Sadol e Melagrião
– A caleça de Rodolfo Pruner
– Pelas águas do rio Itajaí-Mirim
– O primeiro circular de Brusque
– Revolução no comércio de Brusque
– José Belli: exímio marceneiro e carpinteiro
– Banco catarinense, mão brusquense
– As aventuras do alfaiate Gustavo Krieger
– A loja dos brusquenses
– Anos de glória e queda da Casa do Rádio
– Brusque eternizada
– A breve e bela história da Rojan
– A história centenária das salas de cinema
– O hotel da família Schaefer
– As cervejas que marcaram época
– Vida e morte da Loja das Malas
– História de 109 anos
– A pioneira da metalmecânica
– O inconfundível sabor da geladinha
– A companheira dos brusquenses
– História centenária
– A fábrica de arroz do Bateas
– Helga Kamp, a proprietária da primeira escola de idiomas de Brusque
– O point chique dos anos 50 e 60