De um lado véu. De outro luz.
Porém a luz parece forte demais
Para tornar visível o que se esconde.

E a luz torna cinza
O que poderia ser brilho
Ser cor.
Outra cor que não a da própria sombra.

Há poesia através da cidade,
Mesmo quando meus olhos
Ou teus não consigam ver.

A cidade brilha mais que o sol,
E os dois juntos criam tormenta;
Potência e força.
No caminho não perco o ímpeto
De desbravar a cor inteira.

E se for véu,
que venha.
Pois se for sombra,
Venha.

Porque de todas as coisas que são,
Eu continuo sendo…
também.


Eduarda Paz
– psicóloga

De um lado véu. De outro luz. Porém a luz parece forte demais Para tornar visível o que se esconde. E a luz torna cinza O que poderia ser brilho
Conteúdo exclusivo para assinantes

Para ler todas as notícias, assine agora!

Oferta especial para você ficar
bem informado SEM LIMITES

Menos de

R$ 0,35
ao dia
R$ 9,90 ao mês