Prancheta - Cristóvão Vieira

cristovao@omunicipio.com.br

Os motivos da eliminação do Brusque no Brasileiro Série D

Prancheta - Cristóvão Vieira

cristovao@omunicipio.com.br

Os motivos da eliminação do Brusque no Brasileiro Série D

Prancheta - Cristóvão Vieira

Engana-se quem pensa que foram as duas defesas do goleiro Belliato na cobrança de pênaltis contra o Tubarão as únicas culpadas pela eliminação do Bruscão. Diversos fatores foram determinantes para que, pelo terceiro ano consecutivo, o quadricolor fosse eliminado na segunda fase do Campeonato Brasileiro Série D.

O primeiro motivo foi a montagem desastrosa do elenco do Campeonato Catarinense e o gasto excessivo com uma campanha pífia, que acabou respingando na Série D. Com isso os recursos para as contratações foram reduzidos – mesmo assim, o time formado para o campeonato nacional foi superior ao do estadual – e o desmonte precisou fazer com que os treinamentos começassem quase do zero.

A segunda razão da eliminação foi a falta de foco em terminar a fase de grupos como líder. O quadricolor estava com a faca e o queijo na mão, bastava vencer o fraquíssimo Prudentópolis e depois, em casa, derrotar o São José. Foi exatamente o contrário: duas derrotas. Resultado disso foi, novamente, decisão fora de casa na segunda fase e eliminação.

Terceiro foi o insucesso de alguns jogadores que retornaram ao clube sem apresentar o futebol pelo qual foram conhecidos, casos do meia Eliomar, escondido em quase todo o campeonato, e do volante Valkenedy, desatento nas duas partidas da segunda fase.

Mesmo com todos estes problemas, o Brusque nunca esteve tão perto da classificação. Agora, contudo, junta os cacos e pensa no futuro. Logo virá a Copa Santa Catarina, e o foco será total na luta por uma vaga na Copa do Brasil.

Saudades de Teixeirinha

Teixeirinha (à esq.), ao lado de Zizinho, quando atuou pelo Bangu. Foto: Divulgação

Não posso deixar de registrar a despedida a Teixeirinha, considerado o melhor jogador de futebol nascido em Santa Catarina de todos os tempos. Marcou história e conquistou títulos no Carlos Renaux, de modo que era respeitado tanto por tricolores quanto por paysanduanos. Teve um momento brilhante e uma atuação de gala no famoso 5 a 5 contra o Botafogo, em amistoso no ano de 1958.

Magno fidalgo
Após a eliminação do Brusque para o Tubarão, o atacante Magno Alves foi até o vestiário do quadricolor. Lá ele parabenizou os atletas adversários pela boa partida. Mostrou o porquê de ser ídolo de tantos diferentes clubes, com atitudes nobres dentro e fora de campo.

O que esperar da Copa?
Mais uma Copa do Mundo se aproxima, precisamente a vigésima primeira. Pela sua tradição e os resultados desde que o técnico Tite assumiu, o Brasil é apontado como um dos favoritos. Para quem não acha que camisa ganha títulos, atemo-nos aos números: desde que o comandante chegou na seleção, foram 21 jogos, 17 vitórias, três empates e apenas uma derrota em um amistoso contra a Argentina. O aproveitamento é de 85,8%.

Aponta-se também a Espanha como a principal de todas as seleções em termos de expectativa de título. No patamar abaixo das favoritas estão a atual campeã, Alemanha, e a França. Tudo isso baseado nos últimos desempenhos em amistosos e fases eliminatórias.

Mas mais importante que isso será, com certeza, a exploração midiática de um dos países mais fabulosos e ao mesmo tempo diferentes da nossa realidade. Como sempre faz, a Copa trará mais do que o futebol, apresentando cultura e modo de vida da Rússia, além de histórias de superação e lances que com certeza marcarão mais uma edição do campeonato que é o xodó dos brasileiros.

Arquivo Pessoal de Ciro Francisco Imhof

40 anos de história

Em 1978, há 40 anos, a extinta Associação Atlética Anita Garibaldi recebia mais uma decisão de seu campeonato interno, e o registro da sessão Memória do Esporte traz o time finalista. Em pé estão: José Augusto Munch, Gilson Vinotti, Merinho, Pirica, Gilberto e Urbano Kistenmacher; agachados: Ivo Willrich, Ciro Francisco Imhof, Guilherme, Aderbal Visconti e Artur Kistenmacher Neto.

Engana-se quem pensa que foram as duas defesas do goleiro Belliato na cobrança de pênaltis contra o Tubarão as únicas culpadas pela eliminação do Bruscão. Diversos fatores foram determinantes para
Conteúdo exclusivo para assinantes

Para ler todas as notícias, assine agora!

Oferta especial para você ficar
bem informado SEM LIMITES

Menos de

R$ 0,35
ao dia
R$ 9,90 ao mês
Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio