Pássaros domésticos são bastante procurados nos aviários de Brusque

Calopsita, canário e periquito são as espécies mais vendidas

Pássaros domésticos são bastante procurados nos aviários de Brusque

Calopsita, canário e periquito são as espécies mais vendidas

Os pássaros domésticos, ou seja, aqueles que não precisam do registro do Ibama para a comercialização, são cada vez mais procurados nos aviários de Brusque. A tranquilidade, a beleza e as características únicas dessas aves são o que as tornam atrativas e a cada ano mais requisitadas no mercado.

Em três aviários de Brusque contatados pelo Município Dia a Dia, as aves mais procuradas são o canário do reino, o periquito e a calopsita. Nenhuma dessas espécies precisa de registro e a comercialização é livre. Geralmente, as aves são adquiridas para hobby, principalmente por pessoas que moram em apartamento e tem um espaço reduzido em casa.

Os cuidados com as aves são os mesmos que é preciso ter com qualquer animal de estimação. Os canários, por exemplo, são mais sensíveis. Já os periquitos são aves mais resistentes, por isso, é importante observar as características de cada um. “Eles precisam de água fresca todos os dias e alimentação correta. Também é preciso desverminar duas vezes ao ano e ter atenção no período que eles mudam de pena”, diz o proprietário do Aviário Tico Tico, Evandro Costódio.

De acordo com ele, os canários machos são os mais procurados devido ao seu canto. “As pessoas gostam muito do canto, então o canário todos os anos tem muita procura”, diz.

A época de reprodução do canário é de junho a dezembro. Já o periquito e a calopsita se reproduzem o ano inteiro.

Calopsitas

As calopsitas são uma atração à parte. Dóceis, são muito procuradas para crianças. No Aviário MS, essas aves são as campeãs de venda. As calopsitas podem viver soltas dentro de casa e a cada estímulo que recebem ficam mais mansas. “A calopsita é tipo um cachorro, é mansa, e se adestrada pode ficar solta sem problema. As crianças adoram”, diz o proprietário do aviário, Sidnei Mota.

As calopsitas também tem a facilidade de aprender a assobiar, cantar e repetir palavras ou sons. Os machos desenvolvem mais essa habilidade, por isso, são mais vocalizados do que as fêmeas. “A pessoa pode ficar assobiando um trecho de música por várias vezes que elas conseguem repetir”, destaca Mota.

No Aviário Gabi, a vendedora Pamela Peri afirma que as calopsitas também saem bastante. Lá, essas aves são divididas em três tipos: as chucras, as mansas, e as que podem ser tratadas diretamente no bico. “As mais procuradas são as que o pessoal pode adestrar para tratar no bico”, diz.

Elas também são divididas por cores. Segundo Pamela, a calopsita albina é a mais rara, portanto, a mais cara. Há bastante saída também na amarela e a carijó.


Conheça um pouco mais das aves domésticas

Periquito

Atualmente, é possível encontrar mais de 200 variações de cor de periquito. Vivem de oito a 10 anos e são mais resistentes que o canário. Se alimentam de uma mistura de painço e semente de girassol. Não cantam, emitem apenas um som típico.

Preço: varia de R$ 17 a R$ 20

Canário do reino

Esses pássaros tem origem nas Ilhas Canárias, localizadas na costa oeste da África. Existem canários de várias cores. Eles vivem em média oito anos e se alimentam de sementes – alpistes e outros grãos e também podem se alimentar de frutas, como maçã.

Preço: varia de R$ 80 a R$ 120, dependendo do porte e da cor

Calopsita

As calopsitas tem sua origem na Austrália. Uma ave dessas pode viver até 18 anos se for bem cuidada. A venda, geralmente é feita somente quando o filhote atinge dois meses, que é quando começa a se alimentar sozinho. Para que a calopsita possa viver fora da gaiola, é preciso cortar as penas da asa. Também é necessário tomar cuidado com o vento e o frio. Essas aves preferem ambientes com sol e calor. Se alimentam de alpiste e semente de girassol

Preço: varia de R$ 100 a R$ 180

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio