Prancheta - Cristóvão Vieira

cristovao@omunicipio.com.br

Pelas circunstâncias de Brusque e São Paulo, o empate foi derrota

Coluna comenta o placar igual contra o Leão no Rio Grande do Sul e a confusão registrada na súmula

Prancheta - Cristóvão Vieira

cristovao@omunicipio.com.br

Pelas circunstâncias de Brusque e São Paulo, o empate foi derrota

Coluna comenta o placar igual contra o Leão no Rio Grande do Sul e a confusão registrada na súmula

Prancheta - Cristóvão Vieira

Conquistar um ponto fora de casa em uma chave a qual, até a última rodada do Brasileirão Série D, ninguém havia pontuado em território adversário pode parecer uma grande conquista para o Brusque. Mas, diante de tudo que aconteceu e das três expulsões do São Paulo (RS) durante a partida no Rio Grande, não ter vencido foi um vacilo que pode custar caro ao Marreco.

Não devemos esquecer que o gol do time da casa surgiu já quando a equipe tinha inferioridade no número de jogadores em campo. Mesmo no 11 contra 10, quem atacou com mais vontade foi o Leão, que chegou ao gol de abertura do placar. Se tivesse conseguido evitar, a vitória seria questão de tempo.

Pingo também não parece ter feito as mexidas certas. Quando tirou atletas com passe de maior qualidade, como Eurico e Carlos Alberto, apostando em mais atacantes, perdeu a inteligência do time. Sobraram no meio-de-campo Max, que não viveu sua melhor partida, Valkenedy, forte na marcação mas frágil na criação, e Carlos Magno, que desta vez não teve participação eficaz. Não bastasse isso, ainda teve a cera do time da casa e o frequente ‘sumiço’ das bolas.

Nesta sexta-feira, o quadricolor terá pela frente o lanterna da competição, XV de Piracicaba, fora de casa. Agora é esquecer o que aconteceu no Rio Grande e buscar a primeira vitória longe do Augusto Bauer, desta vez em São Paulo, para decretar o que pode ser a classificação antecipada do Bruscão.

Confusão registrada na súmula

Atletas do São Paulo (RS) acertaram soco em Carlos Magno e chutaram o árbitro da partida. Foto: Tabaquara Cruz Filho / Divulgação

O time do São Paulo abusou demais da ignorância e da truculência na partida com o Brusque, e o ambiente hostil foi todo registrado na súmula do árbitro baiano Johnn Herbert Alves Bispo. Embora não tenha feito partida segura, errando para os dois lados, houve exageros – exemplo foi o soco de Carletti aplicado em Carlos Magno. Consta no documento chutes e outras tentativas de agressão ao juiz, além de ameaças na porta do vestiário. O gancho pode ser pesado para os rio-grandinos.

Raio-x do futebol catarinense
De ponta a ponta, o estado não vai bem. Na Série A, a Chape, que teve boa largada na competição, tropeçou nas duas últimas rodadas. O Avaí se segura como pode, mas com o elenco limitado, vitória é artigo raro. Na segundona, Figueirense e Criciúma só participam por enquanto, com o Tigre na zona de rebaixamento. O Joinville ainda não se espertou na Série C, e faz campanha ruim em seu grupo. Por fim, na quarta divisão, Brusque e Inter de Lages estão na área de classificação, vice-líderes de suas chaves, enquanto o Metropolitano está de fora.

‘Obra na casa dos outros’
Leitor astuto comentou comigo sobre a possível reforma do Augusto Bauer, estádio que pertence ao Carlos Renaux, em parceria com o Brusque para que seja devidamente ampliado e assim comporte ainda mais torcedores. Na opinião dele, não se deve fazer obra na casa dos outros. Simplesmente por isso mesmo, porque é dos outros. Neste caso, uma solução para ter um estádio mais amplo é apostar mesmo no terreno da Vila Olímpica.

Carlos Renaux é finalista da Copa Krona
Na Copa Krona, o Carlos Renaux voltou a bater o Flórida, de Blumenau, na segunda partida da semifinal da competição e, portanto, é finalista. A última partida foi no Augusto Bauer, com vitória tricolor por 3 a 1. Agora o Vovô disputa a final com o Metropolitano, que despachou o Olaria com vitória elástica de 6 a 0 na semifinal. O primeiro jogo da final será em Blumenau, no próximo domingo. Já a partida derradeira será no dia 25 de junho.

Raízes do futebol americano

Arquivo O Município

Embrião do recém-formado Weavers Football, o Admirals foi responsável por trazer o futebol americano a Brusque. O time foi, por anos, bastante competitivo e engajado para revolucionar a modalidade em todo o estado. A foto destacada foi durante campanha estadual em 2007, há dez anos. Merece a lembrança!

Conquistar um ponto fora de casa em uma chave a qual, até a última rodada do Brasileirão Série D, ninguém havia pontuado em território adversário pode parecer uma grande conquista
Conteúdo exclusivo para assinantes

Para ler todas as notícias, assine agora!

Oferta especial para você ficar
bem informado SEM LIMITES

Menos de

R$ 0,35
ao dia
R$ 9,90 ao mês
Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio