Após os vice-campeonatos da AFAB em 1996 e 1997, o Lageadense passou vários anos longe das disputas por títulos no futebol amador. Em 1997, o campeão foi o Ferroviário, da rua São Pedro, que mandava seus jogos no campo do América, do Steffen.

Na gestão de Vilmar Ebel, o clube ainda mudou de nome: de Clube Esportivo Lageadense para Sociedade Beneficente e Recreativa Lageadense. Desta forma, foi oficializado que a instituição não possui fins lucrativos e, portanto, poderia receber apoios públicos. No fim dos anos 90, o clube chegou a ter 138 sócios.

Veja também:
Políticos de Brusque avaliam cenário para as próximas eleições municipais

Brusque vence Figueirense fora de casa pela semifinal da Copa Santa Catarina

Secretaria de Saúde reduz horário de expediente interno para contenção de gastos

Os títulos pararam no futebol masculino, mas houve conquistas em outras modalidades. Em 1997, o clube foi o primeiro campeão de futebol feminino do município. No mesmo ano, houve um título municipal na bocha, e no ano seguinte foi a vez do dominó.

Em 2004, um poderoso esquadrão se reuniu. “Era um time dos sonhos. Começamos goleando, com cinco, seis gols”, lembra o lateral-direito Juari Batschauer, de 39 anos. No entanto, ao fim da terceira rodada, após mais uma ótima vitória, o técnico, Gilberto Batschauer, pai de Juari, foi removido da equipe.

Juari começou a jogar os campeonatos amadores já em 1994, e também já passou por Olaria e São Pedro. Em 24 anos, chegou a nada menos que 15 finais. De 1994 a 2004, o Lageadense foi seu único clube. A edição de 2018 foi a primeira em que ele deixou de jogar, por falta de tempo.

Um dos jogos mais presentes na memória do lateral-direito foi uma vitória em casa sobre o Olaria: 1 a 0, em 2004, com gol dele próprio, no Dia dos Pais. “Na época era assim, o Kiko cruzava e eu fazia de cabeça.”

Apesar da troca de técnico, o Lageadense engatou uma série de vitórias rumo à final, uma delas por 8 a 0, sobre o Interclube. Na final, porém, a equipe enfrentou o São Pedro. Com derrotas por 2 a 1 fora de casa e 3 a 2 no Lageado Baixo, o sonho do bi acabou e, junto com ele, o Lageadense. De acordo com Juari, foram as únicas derrotas da equipe na competição.

Mesmo já tendo alcançado o título com outros clubes e com uma longa carreira amadora, ele ainda busca ser campeão com seu time preferido. “Enquanto não for campeão com o Lageadense, não vou parar de jogar”.

Veja também:
Ônibus com quase 50 passageiros pega fogo na BR-101

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Trânsito no acesso à ponte de Ilhota, na BR-470, terá interrupções ao longo da semana

Houve desinteresse para assumir a diretoria e, além disso, foi um ano de despedida para muitos veteranos. As novas gerações, na época, não vingaram. Houve poucos novos jogadores dispostos a manter o time, que acabou sendo desativado.

Juari conta ainda que sempre houve pequenas intrigas no clube, dividido entre católicos e adventistas. “A mesma turma de sempre, com o Cesário e com meu pai, conseguiu juntar católicos e adventistas, em um grande time para ser campeão, mas perdeu para o São Pedro, que tinha um time bom.” A partir de então, o Olaria, da Guabiruba Sul, começou a crescer, com a colaboração de ex-integrantes do Lageadense.

Ainda houve um breve retorno em 2008. No entanto, o projeto não ganhou força. O Lageadense havia sucumbido e deixado 30 anos de luta, conquistas e esportividade para trás.


Você está lendo: Os últimos jogos


Veja outros conteúdos do especial:

– Introdução
– Paixão oficializada
– É campeão!
 De volta entre os grandes
– De Guabiruba para o mundo (e vice-versa)

Após os vice-campeonatos da AFAB em 1996 e 1997, o Lageadense passou vários anos longe das disputas por títulos no futebol amador. Em 1997, o campeão foi o Ferroviário, da
Conteúdo exclusivo para assinantes

Para ler todas as notícias, assine agora!

Oferta especial para você ficar
bem informado SEM LIMITES

Menos de

R$ 0,35
ao dia
R$ 9,90 ao mês