Conteúdo exclusivo para assinantes

PPS de Brusque se reestrutura para as eleições de 2018

Partido anunciou filiação de nomes conhecidos na cidade

PPS de Brusque se reestrutura para as eleições de 2018

Partido anunciou filiação de nomes conhecidos na cidade

O Partido Popular Socialista (PPS), sigla de pequena capilaridade nacional, está se fortalecendo em Brusque. No dia 17 deste mês, a legenda anunciou a filiação de nomes conhecidos na cidade, como Michel Belli, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), e Guilherme Marchewsky, ex-vereador pelo PMDB.

Partido alinhado à Educação, o PPS não figura entre os grandes partidos do estado, tampouco de Brusque. Por algum tempo teve o vereador André Rezini na Câmara Municipal, mas nesta legislatura não conseguiu eleger ninguém devido ao quociente eleitoral.

Desde o fim das eleições do ano passado, o partido tem se articulado em Brusque. O presidente da executiva municipal, Célio Francisco de Camargo, diz que as conversas com as lideranças têm o objetivo de atrair quadros importantes para o partido.

Atento à aversão do brasileiro à política, o PPS local adota o discurso da “nova política”. Os membros da sigla pregam que não buscam quantidade de filiados – a legenda conta com aproximadamente 200, segundo o presidente -, mas pessoas que integrem o novo momento político.

“Nosso objetivo não é fazer filiações por atacado. Queremos pessoas que vão trabalhar”, diz Camargo.

A história do partido na cidade está intimamente ligada ao Brusque Futebol Clube. Danilo Rezini, um dos fundadores, em 2001, é presidente do clube, André, conselheiro, e Camargo, presidente do conselho.

Neste mês, ocorre a eleição da nova diretoria do PPS de Brusque. A tendência é que haja uma chapa única, com André Rezini como presidente.

Candidaturas
O PPS de Brusque trabalha num projeto de médio prazo que pode levar a legenda a virar protagonista no estado nos próximos anos. O anúncio das filiações contou com a presença do senador Cristovam Buarque e da deputada federal por Santa Catarina Carmen Zanotto, o que demonstra que a cidade é estratégica para o partido.

Michel Belli diz que já conversava com um grupo de pessoas há mais de um ano. A escolha pelo PPS para reentrar na vida política deve-se ao histórico do partido, que tem a bandeira da Educação e na cidade tem nomes conhecidos.

“É um projeto para uma nova política”, diz o correligionário e empresário. Belli já colocou o nome à disposição do PPS para concorrer à Câmara dos Deputados.

A candidatura de Belli a deputado federal representa o primeiro teste dele nas urnas. Ele reconhece que trata-se um grande passo,  uma vez que não tem carreira política – foi superintendente da Fundação Cultural de Brusque  por pouco tempo.

Outro que é pré-candidato é Guilherme Marchewsky, professor e ex-vereador. Ele foi eleito em 2012 com 2.512 votos, o mais votado naquela oportunidade.

Em 2016, conforme pesquisa contratada por O Município, estava entre os nomes mais lembrados pelos eleitores para concorrer à Prefeitura de Brusque. Contudo, no fim do mandato, anunciou que se desligaria da política.

“O projeto que eu tinha no PMDB não foi construído por todos”, explica Marchewsky. O PMDB optou por se aliar ao PSB, do prefeito Jonas Paegle.

O pré-candidato a deputado estadual já se aposentou e diz que pretende colaborar politicamente com a cidade. “O projeto é representar Brusque no âmbito estadual”.

Novos nomes
Desde que o PPS começou a se articular nos bastidores da política municipal, fala-se da volta de Danilo Rezini ao partido. Rezini foi um dos fundadores da sigla em Brusque, e o filho dele, André, até hoje é filiado.

Camargo, presidente da executiva local, afirma que, de fato, Danilo foi convidado a voltar ao partido. “Convidamos insistentemente”, diz.

No entanto, Danilo é presidente do PMDB na cidade e não quer discutir a mudança de partido, pelo menos, até o fim do seu mandato, segundo Camargo.

PPS quer ser grande

O PPS tenta aproveitar o momento de descrédito de grandes partidos, como PMDB, PSDB e PT, para crescer e ganhar projeção. A sigla não foi citada na Lava-Jato e usa isso como um atestado perante o eleitor.

O próprio nome de Cristovam Buarque é tido como um possível candidato à Presidência da República. Segundo Marchewsky, a deputada Carmen Zanotto também pode concorrer ao governo estadual no ano que vem.

Por trás da movimentação do PPS, a despeito de nomes, está um projeto de médio prazo de construção da sigla, que até hoje se manteve à sombra dos grandes. A candidatura de Belli a deputado federal é um exemplo. Sem uma grande força por trás, não tem tantas chances, mas é importante testar o nome visando à Câmara de Vereadores em 2020.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio