Programa Mãos que Ajudam revitaliza Parque da Caixa D’agua

Capina, varrição, plantio e pintura foram algumas das atividades realizadas no local

Programa Mãos que Ajudam revitaliza Parque da Caixa D’agua

Capina, varrição, plantio e pintura foram algumas das atividades realizadas no local

Cerca de 120 pessoas, entre integrantes da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias e dos Escoteiros de Brusque, revitalizaram alguns espaços do Parque Leopoldo Mortiz – conhecido como Parque da Caixa D’agua. Capina e varrição dentro e fora do parque; plantio de flores; pintura de bancos; mesas e brinquedos; e espalhamento de pedra brita foram as ações dos participantes, na manhã de sábado, das 9h ao meio dia.

Inicialmente, a atividade estava prevista para ocorrer no dia 28 de junho – mês do meio ambiente -, contudo, a chuva adiou para o dia 9 deste mês. O projeto faz parte do “Programa Mãos que Ajudam”, que começou em 2000 no Brasil e atingiu o mundo inteiro. “O projeto se espalhou pelo mundo por meio da Igreja, e sempre que ocorre uma atividade, as pessoas, independentemente do país, utilizam a camisa com as cores do Brasil”, explica o presidente da Estaca do Vale do Itajaí, Julian Pierre da Silva.

As britas, as mudas e as tintas utilizadas na revitalização do parque foram doações de membros da Igreja de Jesus Cristo e das comunidades do Vale. Para o membro da capela de Gaspar, Almir Antônio Tavares, a principal função das atividades é ajudar ao próximo. “Nós não temos de criticar, temos de agir. Quando fazemos essas ações com amor, o fruto se torna ainda melhor”.

Responsáveis pelo transporte das pedras com carrinho de mão, os escoteiros Ricardo Henrique Wehmuth, de 15 anos, e Jean Bradt Vieira, de 14, exaltaram a importância da solidariedade. “Limpando um espaço público, nós estamos dando um exemplo para as outras pessoas, principalmente para as crianças, que passam por aqui. As famílias vão visitar o parque e vão ver o trabalho que fizemos. Isso é gratificante”, diz Ricardo.

Além das atividades de revitalização, uma apresentação da fanfarra da escola João XXIII estava no cronograma. Contudo, a Prefeitura não disponibilizou transporte para os integrantes da banda. “Nós nos oferecemos para pegar as crianças na escola, mas a diretora não permitiu, porque o ônibus tem seguro responsável pelos estudantes, mas nossos carros não”, lamenta Maria Nazareth Uberto, diretora assistente de assuntos públicos da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias.

Reforma geral

O Departamento Geral de Infraestrutura (DGI), responsável pela manutenção do Parque, realiza há dois meses a reforma completa do local. Para dar continuidade a revitalização iniciada pelo Samae – antigo responsável até outubro do ano passado -, a autarquia teve de fazer um acordo judicial. “Nós queríamos fechar todo o parque para fazer a reforma, até por questões de segurança, mas os moradores do local não permitiram. Eles foram na justiça e conseguiram uma liminar para deixar o parque e o bar abertos”, explica o diretor do DGI, Artur Antunes. A reforma dos sanitários e a remoção do antigo material da ponte foram algumas das ações já feitas pela autarquia. “Nós também instalamos um novo parquinho com cinco torres para as crianças, reconstruímos o piso e a viga de sustentação do teleférico e lixamos o avião de guerra. Nesta semana, pretendemos pintá-lo. Aos poucos vamos reformando tudo”. O DGI tem cerca de 90 dias para finalizar a reforma.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio