Projeto Escola de Anjos proporciona dia de ensinamentos a crianças de Brusque

Em junho será realizada a segunda etapa do projeto no município

Projeto Escola de Anjos proporciona dia de ensinamentos a crianças de Brusque

Em junho será realizada a segunda etapa do projeto no município

Amor e doação definem o trabalho realizado pela Escola dos Anjos, movimento criado em Curitiba (PR) e que foi trazido a Brusque neste ano. Em junho será realizada a segunda etapa do projeto no município, que proporciona um dia especial para crianças que vivem em situação de vulnerabilidade social e ensina, por meio de brincadeiras lúdicas, como “anjos se comportam na terra”.

Brusque foi a primeira cidade fora de Curitiba a receber o projeto, que contou com a iniciativa da empresária Cristiane Zen, uma apaixonada pela causa. Ela conheceu a escola – liderada por alguns amigos paranaenses -, em 2014, e buscou meios de trazê-la para cá.

Neste mês aconteceu a primeira etapa, que é norteada por quatro pilares: natureza (sustentabilidade, ecologia, consciência ambiental); alimentação/saúde (somos o que comemos e higiene); espiritualidade (meditação, respiração, mente positiva – somos o que pensamos) e amor e caridade (a oferta que podemos fazer a quem amamos).

Nesta ocasião, 42 crianças, de seis a 12 anos, do conjunto habitacional Sesquicentenário, do bairro Limeira, passaram um dia diferente e repleto de amor numa chácara no Thomáz Coelho. O trabalho somente foi realizado com o apoio de 72 voluntários, que acompanham as crianças individualmente e se doaram durante o período para proporcionar este momento.

Em junho, na próxima etapa, mais 40 crianças do bairro receberão os ensinamentos, e consequentemente, outras terão este momento na terceira e quarta fases do projeto, previstas para 2017.

No dia, as crianças acompanhadas pelos voluntários, também realizam brincadeiras como caça ao tesouro, danças, desenhos, entre outros. Ao fim do período, elas recebem um certificado e são graduados “anjos”. Com isso, os pequenos têm a missão de voltar para suas casas e cuidar de seus familiares, amigos, animais e natureza. “Elas saem com esses ensinamentos muito fortes dentro delas e disseminando o bem para o mundo. É um momento em que essas crianças são conectadas com elas mesmas e incentivadas a fazer o bem, amar o próximo, cuidar do mundo”, diz Cristiane, que desenvolve o movimento em Brusque com a colaboração de mais 12 pessoas de um conselho.

“É tão clichê falar que as crianças são o futuro, mas quando fazemos algo pelo próximo estamos fazendo por um mundo melhor. Para ter um lugar melhor, precisamos de pessoas melhores, e por isso não adianta somente olhar para o meu filho, mas também para o filho dos outros. É preciso amar e multiplicar este amor, e hoje gratidão é o sentimento que define um pouco dessa doação”, diz.

Emoção
O professor de trânsito em autoescola, Teodoro Pereira Filho, foi voluntário na primeira etapa do movimento. Ele afirma que a Escola dos Anjos ensina o que a escola tradicional muitas vezes não ensina. “Eu costumo dizer que hoje as crianças recebem uma overdose de matérias, que talvez nem sejam utilizadas, mas não aprendem a viver. Na Escola dos Anjos os pequenos aprendem a se proteger e a proteger o próximo. Um anjo faz isso, está sempre pensando no outro”.

Pereira Filho destaca que, no dia do evento, lhe chamou atenção um desenho feito por uma criança de nove anos, abandonada pelo pai. Ele conta que era para ser colocado em uma mandala o que ela desejava para sua vida e para o mundo. A criança representou, por meio do desenho, que sua família voltasse novamente a ficar unida. “Só de falar a gente se emociona. São histórias maravilhosas e um dia de muito pensamento positivo e amor”.

Projeto
O projeto, criado em Curitiba em 2014, atende de 30 a 60 crianças e adolescentes em cada edição. A maioria está em situação de privação ou vulnerabilidade e com o projeto, é possível resgatar parte da autoestima e auxiliar em alguns aspectos fundamentais para que tornem-se jovens capazes de criar mudanças em suas próprias vidas, das suas famílias e nas suas comunidades.

Como participar
Qualquer pessoa pode ser voluntária. A exigência é que participe de uma reunião antes da etapa. As crianças são escolhidas por meio de um levantamento feito pelo conselho da Escola dos Anjos. Mais informações no telefone 991-631-633.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio