Quase 500 pessoas participaram da 2ª etapa do Bazar Solidário da Apae de Brusque

Vendas de mercadorias geraram arrecadação de R$ 73.171 nos três dias do bazar  

Quase 500 pessoas participaram da 2ª etapa do Bazar Solidário da Apae de Brusque

Vendas de mercadorias geraram arrecadação de R$ 73.171 nos três dias do bazar  

Na última sexta-feira, sábado e domingo, dias 8, 9 e 10 de abril, foi realizada a segunda etapa do Bazar Solidário da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Brusque, com mercadorias apreendidas pela Receita Federal.

O bazar aconteceu na sede da instituição e registrou movimento maior no primeiro dia, sexta-feira. No período da manhã houve fila no local, e durante todo dia o movimento se manteve. Já no sábado e domingo a procura pelos produtos foi um pouco menor. Apesar disso, a avaliação da diretoria foi positiva. “Essa segunda etapa esperávamos que fosse um pouquinho melhor, mas sabíamos que não tínhamos a mesma quantidade de mercadorias da primeira etapa. Conseguimos vender R$ 73.171, o que é um número expressivo e com a participação de diversos compradores, o que é o objetivo da Receita Federal, que esses produtos não caiam novamente nas mãos das pessoas que vendem sem pagar imposto. Acredito que é por aí que demonstramos a lisura do nosso trabalho nas vendas”, ressalta o diretor vice-presidente da instituição, Márcio Belli.

A primeira etapa do Bazar Solidário, realizada em novembro de 2015, arrecadou R$ 315.017,52 e teve a participação de 1.136 compradores. Já esta segunda etapa, que arrecadou R$ 73.171, teve a presença de 499 compradores. Isso significa um total de R$ 388.188,52. “A Receita Federal nos doou as mercadorias no valor de venda equivalente a R$ 399.997,81. Fizemos algumas doações de mercadorias a alunos que necessitavam de mochilas e materiais escolares já no ano passado. Agora, após esta segunda etapa, temos algumas mercadorias que restaram e faremos a comercialização através do Clube de Mães e Senhoras da APAE, como também na nossa festa no mês de setembro como prêmio das Rifas e da Roda da Fortuna”, explica.

Segundo Belli, os valores levantados foram muito importantes para instituição. “A gente entende que as pessoas que vieram aqui e adquiriram a mercadoria, poderiam comprar em outro estabelecimento comercial, mas deram preferencia porque dessa forma estão colaborando com a instituição. Não é a toa que a APAE tem 60 anos de atividades em Brusque e é conhecida e reconhecida por toda comunidade brusquense”, ressalta.


Investimento do recurso

Todo valor arrecadado com as mercadorias doadas pela Receita Federal tem destino certo: são três projetos enviados pela APAE já em 2014, quando a instituição solicitou a doação. Trata-se da construção da administração e guarita, uma área de 243 metros quadrados; a reforma dos banheiros masculino e feminino da instituição que são muito antigos e não atendem as necessidades de alguns alunos; e a reforma e ampliação das oficinas. “É um dinheiro carimbado para estes projetos. A Receita Federal não faz a doação das mercadorias para arrecadação de dinheiro para fins de manutenção da entidade, mas sim para reformas, construção, aquisição de algum veículo ou bem. Sempre prestamos contas para a Receita Federal, comprovamos a utilização do recurso, é desta forma que somos atendidos”, complementa o diretor.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio