Em 2017 a Prefeitura de Brusque lançou um novo desafio para fortalecer o município como reduto das cucas. Em agosto, durante as comemorações de aniversário da cidade, foi servida um doce de 9 metros no Sesc.

Devido ao sucesso, o diretor-geral de Comunicação da prefeitura, Murilo José da Conceição, diz que o governo irá aumentar o tamanho da iguaria e reunir mais panificadoras na sua produção.

Neste ano, a Sassipan Panificadora e Confeitaria, com apoio da Bunge Alimentos, fabricou 15 massas que, juntas, formaram nove metros de cuca.

O doce foi feito no formato listrado, com massa tradicional e leve toque de raspas de limão e noz moscada. Foram vários sabores, entre eles abacaxi, chocolate, queijo, damasco, laranja e banana.

“É muito cedo para fazermos projeções para o próximo ano. Mas entendemos que a cuca gigante foi um sucesso e pretendemos manter este formato”, diz Conceição.

Segundo ele, para 2018 também se estuda a possibilidade de fazer o corte da cuca no desfile do aniversário de Brusque, onde haverá maior concentração de público, ou ainda em um dia útil, na praça Barão de Schneeburg.

Além disso, o diretor-geral diz que a prefeitura quer inserir Brusque no Guinness Book, o livro de recordes mundiais. Atualmente, a maior cuca do Brasil é de São Bento do Sul.

A cidade do Norte catarinense produziu um doce de 144 metros de comprimento, que foi servido para a população durante as comemorações dos 144 anos da cidade, no dia 23 deste mês. O recorde foi validado pelo RankBrasil – Recordes Brasileiros.

100 metros de cuca
Apesar da ação ter sido lançada pela prefeitura deste ano, não é a primeira vez que Brusque teve uma cuca gigante. No centenário do Santuário de Azambuja, em 2005, uma cuca de 100 metros foi servida em frente à igreja.

O padre Nélio Schwanke recorda que a cuca foi feita por alguns funcionários da unidade, quando foi “armada” uma mesa de 100 metros. Segundo ele, a ideia foi do padre Luís Antônio Caon, que foi reitor do santuário durante cerca de oito anos.

“Lembro que muitas pessoas confraternizaram e que choveu muito, o que acabou estragando um pouco a festa”, diz padre Nélio, que afirma que não há registros fotográficos do momento.

Quem também lembra desta cuca é o fundador da Sassipan, Quido Paulo Sassi, 83. Na época, seus padeiros e confeiteiros auxiliaram na produção do doce.

Em 2017 a Prefeitura de Brusque lançou um novo desafio para fortalecer o município como reduto das cucas. Em agosto, durante as comemorações de aniversário da cidade, foi servida um doce de
Conteúdo exclusivo para assinantes

Para ler todas as notícias, assine agora!

Oferta especial para você ficar
bem informado SEM LIMITES

Menos de

R$ 0,35
ao dia
R$ 9,90 ao mês