Conteúdo exclusivo para assinantes

Região de risco no Primeiro de Maio preocupa Ministério Público e prefeitura

De acordo a Defesa Civil, imóveis são danificados com trânsito de veículos pesados

Região de risco no Primeiro de Maio preocupa Ministério Público e prefeitura

De acordo a Defesa Civil, imóveis são danificados com trânsito de veículos pesados

O Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC) prorrogou o prazo para encerramento do inquérito que apura a necessidade da proibição do tráfego de veículos pesados na área que compreende as ruas José Ramiro Dias e Eduardo Wiederkher, no bairro Primeiro de Maio. O local é bastante íngreme e, de acordo com a Fundação Municipal do Meio Ambiente (Fundema), casas localizadas em uma possível zona de risco ficam vulneráveis ao peso e as vibrações de caminhões ou ônibus.

De acordo com o despacho da promotoria, realizado em 16 de agosto, a Defesa Civil de Brusque solicitou à Secretaria de Trânsito e Mobilidade (Setram) que fosse instalada sinalização impedindo o tráfego de veículos pesados. A solicitação foi atendida, estando proibida a circulação de veículos com mais de quatro toneladas no local.

Veja também:
Empresários de Brusque têm habeas corpus negado pelo STJ

Microempreendedores locais terão preferência nas licitações da Prefeitura de Guabiruba

Falta de efetivo gera sobrecarga de trabalho ao Corpo de Bombeiros 

 

Com a prorrogação do inquérito, a promotoria pediu à Prefeitura de Brusque, em uma parceria entre Fundema, Setram, Secretaria de Obras, Defesa Civil e Instituto Brusquense de Planejamento (Ibplan), as seguintes medidas:

  • Apresentação de imagens de satélite dos últimos 10 anos que demonstrem a evolução de construções nas áreas de risco;
  • Elaboração de rascunho de toda a área, com as vias públicas identificadas;
  • Levantamento das vias públicas da área, indicando individualmente os equipamentos públicos existentes, além da atual estrutura, do estado de conservação e da capacidade de carga de veículos
  • Estudos e listagem contendo residências, comércios e indústrias na área, indicando endereço, proprietário e/ou morador, que necessitem de interferências como desocupação, reparos na estrutura e/ou demolição, em razão do risco eminente aos demais moradores;
  • Comprovação de que todos os proprietários dos imóveis listados tenham sido notificados sobre os riscos da ocupação;
  • Elaboração de um cronograma de obras públicas necessárias para a diminuição do risco, indicando as medidas adotadas para que o problema seja solucionado.

Marisa Lauch é moradora da rua Eduardo Wierderkehr e reclama de algumas situações do local. Apesar de haver sinalização na entrada da rua sobre a proibição do tráfego de veículos acima de quatro toneladas, são vistos caminhões de médio porte transitando diariamente. Ela relata que ainda não houve relatos de residências tenham sido danificadas em função disto.

Veja também:
CVV intensifica ações de conscientização e debate sobre o suicídio em Brusque

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Acidentes nas rodovias federais catarinenses deixaram 140 feridos neste feriado

Coleta de lixo
As questões originais sobre o lixo na rua, que não era coletado porque os caminhões da empresa Recicle não faziam a subida, foram resolvidas em junho, quando foi acordado que o recolhimento seria feito por veículos menores.

Anteriormente, a coleta do lixo era feita por meio de uma caixa coletora instalada no começo da rua. A medida não agradou alguns moradores, que retiraram o objeto do local. A partir de então, o lixo chegou a ficar acumulado nos destroços de um banheiro, em uma parte mais alta na rua. Mesmo com a coleta tendo sido feita, ainda há resquícios do lixo e do cheiro no terreno.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio