Conteúdo exclusivo para assinantes

Região terá usina de asfalto que atenderá Guabiruba e Botuverá

Estrutura ficará localizada em Timbó e será viabilizada por meio do Cimvi

Região terá usina de asfalto que atenderá Guabiruba e Botuverá

Estrutura ficará localizada em Timbó e será viabilizada por meio do Cimvi

A licitação para a construção de uma usina de asfalto por parte do Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí (Cimvi) deve ser lançada ainda no primeiro semestre deste ano. O equipamento atenderá Guabiruba e Botuverá – participantes do Cimvi -, que enxergam na iniciativa uma maneira de baratear o custo de pequenas obras. Brusque não integra o consórcio.

O dinheiro para a construção da usina será destinado pela bancada catarinense no Congresso Nacional por meio de emendas parlamentares. Segundo o presidente Associação dos Municípios do Médio Vale do Itajaí (Ammvi), José Luiz Colombi, o Nene, serão R$ 5 milhões, já garantidos.

O Cimvi trabalha, neste momento, na parte de documentação da obra. Depois, esses documentos serão levados a Brasília, para que seja feito o empenho e, com isso, a licitação possa ser lançada.

“Queremos fazer a licitação ainda neste primeiro semestre”, afirma Nene, que também é prefeito de Botuverá e deixará a presidência da Ammvi no fim deste mês.

O prazo para que a usina – que ficará em Timbó – comece a funcionar de fato será mais longo. Depois da licitação, a empresa ainda terá de vencer as etapas burocráticas e então colocar as máquinas para trabalhar.

Barateamento
O custo do asfalto é um dos maiores numa obra de pavimentação. O valor também pesa no orçamento de uma Secretaria de Obras. Por isso as prefeituras do Cimvi pretendem, com a usina, reduzir custo.

As 12 prefeituras que integram o Cimvi resolveram se juntar para viabilizar a usina. Luiz Alves e Massaranduba, que não são do consórcio, mas usam o aterro sanitário dele, também manifestaram interesse no projeto.

Segundo Nene, a ideia é buscar mais prefeituras, para que a usina seja usada na capacidade máxima. A intenção é visitar Canelinha, São João Batista e outros municípios do Vale do Rio Tijucas para apresentar a usina.

O prefeito de Guabiruba, Matias Kohler, diz que a usina será benéfica para a cidade. Ele destaca que se a prefeitura tiver maquinário para fazer a base a infraestrutura de uma estrada, poderá comprar o asfalto praticamente a peso de custo, pois o Cimvi não visa lucro.

Kohler diz que quando a usina estiver funcionando o asfalto será importante para operações tapa-buracos, pavimentações e recuperação asfáltica – itens que estão entre as principais solicitações feitas à prefeitura.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio