Representantes de Brusque são campeões brasileiros de padel

Pedalistas conquistaram o título após vitória em cima dos jogadoresde Joinville na quarta etapa da competição

Representantes de Brusque são campeões brasileiros de padel

Pedalistas conquistaram o título após vitória em cima dos jogadoresde Joinville na quarta etapa da competição

Você já ouviu falar do padel? É um esporte pouco conhecido, mas que chamou a atenção de dois gaúchos que residem em Brusque. Lenon Flain da Silva e Rafael Marcuzzo Bitencourt jogam juntos há um ano e meio e acabam de conquistar a quarta etapa do Campeonato Brasileiro da modalidade, realizada em Tubarão.
Tudo começou para Silva antes do início da faculdade, em 1996. “Morava numa cidade de divisa com a Argentina (Itaqui). Como foram eles (argentinos) que trouxeram o padel para o Brasil, tinham muitas quadras na região. Além disso, eu jogava tênis amador e o padel se assimila ao tênis”, diz. “Também é um esporte fácil de aprender. No tênis, é preciso de uns seis meses para sair jogando. No padel, no primeiro, já consegue jogar sem dificuldades”, acrescenta Silva. 
No ano seguinte, o atleta começou a participar de competições. Em 1998, foi campeão gaúcho da modalidade. O padelista afirma que já participou de diversas competições, mas quando ingressou na faculdade, em 2000, parou de competir. Depois de formado passou a residir em Brusque.
Bitencourt conheceu o esporte quando entrou para o curso de Educação Física em Santa Maria. “Na faculdade tinham duas quadras. Fui conhecer e comecei a me interessar. Depois fiz uma cadeira sobre o esporte e virei monitor por dois anos”. Com o término da graduação, se mudou para Brusque e foi atrás do esporte. Como não há quadras, procurou praticar outras modalidades, mas faltava algo. “Foi então que vi que em Itajaí havia quadras. Voltei a jogar há três anos lá. Depois de um tempo, decidimos formar a dupla para competir”, relata Bitencourt. 
Preparação
Os padelistas treinam duas vezes por semana em Itajaí. Esta é uma das dificuldades da dupla, já que o padel não pode ser jogado em uma quadra qualquer. Por isso e por quererem incentivar a prática do esporte na cidade, estão trabalhando em um projeto para instalação de uma quadra, como relata Silva. “Procuramos um local adequado há uns seis meses. Primeiramente, a gente queria trazer isso de forma particular, mas fazer uma parceria com colégios e a Prefeitura  para incentivar o esporte entre as crianças em forma de escolinhas, durante os turnos das manhãs e tarde. À noite, usaríamos a quadra para alugar para pessoas que queiram conhecer e jogar o padel”.

Competições

Este é o primeiro ano de competições dos padelistas fora dos torneios internos. Os resultados já são positivos. No Campeonato Brasileiro, a dupla jogou duas das quatro etapas. Na fase realizada em Curitiba foram eliminados na semifinal. Na última, em Tubarão, conquistaram o título ao derrotar os representantes de Joinville. Nesta competição, jogaram na segunda categoria. O padel é dividido em seis e as duplas vão subindo conforme a pontuação no ranking. Para a próxima competição, que será a quarta etapa do Circuito Catarinense, em Joinville, no último fim de semana de setembro, os representantes de Brusque competirão na categoria Open, ou primeira categoria, considerada a profissional. 

Entenda o padel

Apesar de pouco conhecido, o esporte existe desde 1969. Sua origem foi no México com Enrique Corcuera, responsável por construir a primeira quadra. Após isso, os argentinos se interessaram pelo esporte e começaram a praticar. No Brasil, a prática iniciou em 1988 no Rio Grande do Sul, com a influência dos vizinhos nas cidades de Santana do Livramento e Jaguarão. Durante aproximadamente três anos, essas foram as únicas cidades que tiveram quadras de padel. Após esse período, novos locais foram construídos no estado, nas cidades de Uruguaiana, Novo Hamburgo, Pelotas e Porto Alegre. Atualmente, em Santa Catarina, há a possibilidade de praticar o padel em Tubarão, Concórdia, Chapecó, Joinville, Itajaí e Balneário Camboriú. 
A dificuldade em encontrar quadras específicas para o jogo está em suas características. As quadras devem ter 20 metros de comprimento por dez de largura. Os campos são divididos por uma rede. A quadra se assemelha a de tênis, a diferença está na vedação. Ao fundo, tem a espécie de ‘U’, quando visto de cima, geralmente de alvenaria ou vidro. As laterais são feitas por telas, local onde a bola não pode bater para o ponto ser validado. As paredes servem como forma de interação ao recolocarem a bola novamente em jogo, o que gera maior dinamismo na partida.
Os jogos são disputados sempre em duplas. Os padelistas utilizam bolinhas iguais a do tênis, e raquetes, que medem 45,5 centímetro de comprimento por 24 de diâmetro, fáceis de controlar e realizar os movimentos. O saque deve ser executado na altura da cintura, ou seja, por baixo. A intenção do jogo é fazer com que o adversário não consiga devolver a bola de forma correta. Isso ocorre quando a bola fica em seu próprio campo ou quando é jogada para fora da área de jogo, ou seja, bate na parede sem antes quicar no chão adversário ou vai direto para a tela de proteção. 
A forma de pontuação é igual a do tênis. O primeiro ponto vale 15, o segundo 30, o terceiro 40, e último é declarada a vitória, se houver vantagem de dois pontos. O número de sets varia de acordo com a competição, mas geralmente uma partida é formada por três a cinco.
O esporte ganha notoriedade entre ex-tenistas e amadores. A prática inicial do padel não exige grande conhecimento técnico e condicionamento físico, apenas habilidade e destreza para a execução dos movimentos.  

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio