Em agosto de 1971 Brusque ganhou seu primeiro supermercado. No prédio de três pavimentos, onde hoje está o Spazio Sassi, na avenida Beira Rio, foi inaugurado o Supermercado Ristow.

A família já administrava a tradicional panificadora Ristow e também era a responsável pela distribuição da cerveja Antárctica no município.

Na época, o empresário Ewaldo Ristow resolveu aproveitar o espaço que existia na distribuidora e transformá-lo também em varejo.

“Ele foi em outras cidades onde já existia supermercado para verificar como eram as instalações e pegou de modelo”, conta Ewaldo Ristow Filho.

Ele lembra que, na época, a inauguração do mercado causou uma espécie de revolução em Brusque, já que, até aquele momento, a cidade só contava com os varejos tradicionais de balcão. “Foi muito surpreendente porque a realidade era outra”.

Supermercado Ristow estava localizado onde hoje está o Spazio Sassi | Foto: Sergio Bodenmuller/Curto Fotos Antigas de Brusque

Ristow Filho lembra que o supermercado foi instalado em um espaço bastante grande e que era bem suprido com as grandes marcas da época. “Foi um momento muito marcante dentro do comércio de Brusque”.

O empresário recorda ainda que a receptividade dos brusquenses foi muito boa e que, por ser a pioneira, a loja foi se moldando às necessidades da população e do próprio mercado.

“A gente nem esperava que tivesse o movimento que veio acontecer, foi uma experiência grande porque aprendeu-se muito por ser o pioneiro, na forma de agir, o que o público esperava. Tivemos resultado expressivo para a época em termos de vendas”.

Na época, o mercado também inovou e começou a atender aos sábados e domingos, algo que os brusquenses ainda não estavam adaptados. Desde a inauguração, o Supermercado Ristow abria aos sábados, até as 21h, e aos domingos. “Não tinha essa tradição do comércio abrir fim de semana”.

Ewaldo Ristow Filho fazia parte da administração do supermercado. A empresa contava com cerca de 40 funcionários. Toda semana, o caminhão ia para Curitiba para trazer frutas e verduras para abastecer o mercado.

“Tinha de tudo, mas o mix era bem menor do que hoje. Cerveja, refrigerante, água, era tudo de garrafa. O leite era no saquinho plástico, o hábito de consumo da população era diferente”.

O Supermercado Ristow atendeu os brusquenses até 1975. Naquele ano, Ewaldo Ristow decidir fechar as portas e continuar somente com a distribuidora. O ponto então foi vendido para o Supermercado Archer.

“Aprendeu-se muito sobre essa atividade comercial. Era uma empresa familiar, pessoas todas conhecidas trabalhavam ali, a cidade era pequena. Foi uma época muito boa. Temos orgulho de ter contribuído para o desenvolvimento de Brusque”.


Você está lendo: Revolução no comércio de Brusque


Leia também:
– Introdução
– As aventuras e desventuras de Heinz Willrich
– A geladeira brasileira nasceu em Brusque
– O brusquense que criou Sadol e Melagrião
– A caleça de Rodolfo Pruner
– Pelas águas do rio Itajaí-Mirim
– O primeiro circular de Brusque
– José Belli: exímio marceneiro e carpinteiro
– Banco catarinense, mão brusquense
– As aventuras do alfaiate Gustavo Krieger
– A loja dos brusquenses
– Anos de glória e queda da Casa do Rádio
– Brusque eternizada
– A breve e bela história da Rojan
– A história centenária das salas de cinema
– O hotel da família Schaefer
– As cervejas que marcaram época
– Vida e morte da Loja das Malas
– História de 109 anos
– A pioneira da metalmecânica
– O inconfundível sabor da geladinha
– O primeiro jornal dos brusquenses
– A companheira dos brusquenses
– História centenária
– A fábrica de arroz do Bateas
– Helga Kamp, a proprietária da primeira escola de idiomas de Brusque
– O point chique dos anos 50 e 60