Conteúdo exclusivo para assinantes

Samu de Brusque já custou quase R$ 500 mil neste ano

Valor é custeado pelas prefeituras da região e pelo Ministério da Saúde

Samu de Brusque já custou quase R$ 500 mil neste ano

Valor é custeado pelas prefeituras da região e pelo Ministério da Saúde

O Serviço Autônomo Municipal de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) do município custou R$ 444 mil apenas nos oito primeiros meses deste ano. Este montante é pago em sua maior parte pela Prefeitura de Brusque.

Segundo a Secretaria de Saúde, a pasta desembolsou aproximadamente R$ 257 mil neste ano. Enquanto que o governo federal repassou cerca de R$ 175 mil ao município para o custeio do serviço. Um pequeno valor é repassado por municípios vizinhos.

De acordo com o secretário Humberto Fornari, como o montante repassado pela União não cobre o custo do Samu, a prefeitura é obrigada a aplicar cada centavo na estrutura e também a complementar do caixa próprio.

Os números revelam que o Samu custa para Brusque, em média, R$ 55,5 mil mensais. Entretanto, há meses em que esse valor foi bem mais alto e chegou a R$ 72 mil em junho.

Em janeiro, outro mês no qual o valor foi mais elevado, o custo operacional foi de R$ 67 mil. No mês seguinte caiu para R$ 45 mil, e nos outros meses manteve-se na casa dos R$ 50 mil.

Abrangência regional
A análise das contas do Samu demonstra que o serviço, por vezes criticado, é oneroso para a prefeitura. Não só porque a demanda na cidade é alta, mas também por ser microrregional.

O Samu de Brusque atende também as pessoas que necessitam em Guabiruba e Botuverá. Entretanto, nem sempre as equipes estão disponíveis, e a distância a cobrir às vezes é grande. Isso faz a qualidade do atendimento cair, o que já foi tema de reportagens e de reclamações da população.

Guabiruba repassou para Brusque, nos últimos quatro meses de 2016, cerca de R$ 14,9 mil. Botuverá, por sua vez, aproximadamente R$ 3,3 mil. Não há informação sobre os repasses de 2017.

No caso de Botuverá, em 2015 a prefeitura chegou a parar de pagar a Brusque o valor devido sob a alegação de que o Samu não atendia na cidade vizinha ou, pelo menos, não era informado o número de pessoas socorridas.

Na época, a Secretaria de Saúde já informava de que a estrutura do Samu era dispendiosa. Neste ano, o serviço esteve sem uma ambulância, que estava no conserto. A manutenção  é um dos principais gastos do órgão de resposta.

No mesmo local
Conforme já noticiado por O Município, o Samu passou a funcionar no mesmo do prédio do Corpo de Bombeiros no início de setembro. A medida ocorreu principalmente porque o serviço ocupava o edifício da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 Horas, no Santa Terezinha.

De acordo com Fornari, a mudança para o quartel dos bombeiros no Centro tem o objetivo de melhorar o atendimento, já que por vezes Samu e Bombeiros são chamados para a mesma ocorrência.

Apesar de estarem no mesmo endereço, não existe unificação, tampouco centralização do telefone de emergência. O secretário de Saúde explica que o Samu já ocupou o quartel dos bombeiros no Águas Claras no passado, ou seja, a iniciativa não é inédita.

Questionado pela Câmara de Vereadores, Fornari respondeu que as escalas de plantão dos servidores foi readequada à lei. Antes, era 24 horas de trabalho intercaladas por 72 horas de descanso, ou até, às vezes, 96 horas. Mudou para 12h por 36h por força de lei, segundo Fornari.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio