Secretaria de Saúde de Brusque estuda encerrar convênio com sindicatos

Cota de exames para pacientes sindicalizados volta a ser discutida com o Fórum Sindical

Secretaria de Saúde de Brusque estuda encerrar convênio com sindicatos

Cota de exames para pacientes sindicalizados volta a ser discutida com o Fórum Sindical

A Secretaria de Saúde irá reavaliar os convênios que mantêm com os sindicatos de Brusque. O secretário Humberto Fornari comunicou a decisão ao Fórum Sindical da cidade em reunião realizada nesta segunda-feira, 12.

Atualmente, as pessoas que são sindicalizadas podem se consultar com médicos conveniados aos sindicatos e realizar os exames no Sistema Único de Saúde (SUS). Cada entidade tem uma cota de procedimentos para seus associados.

O secretário de Saúde de Brusque afirma que esse sistema está se tornando oneroso para o município. De acordo com Fornari, a quantidade de exames custeados pelo SUS acaba em poucos dias, logo que são abertos os agendamentos.

“É um processo de mostrar para o Fórum Sindical a nossa dificuldade de manter a nossa parceria com o volume de exames que hoje são fornecidos. Não adianta eu cobrir um ser e descobrir o outro. O que eu mostrei para eles é que temos um volume limitado de exames”, afirma o secretário.

Com poucos exames em relação à demanda total, a Prefeitura de Brusque estuda uma alternativa para a relação com os sindicatos. O ideal, admite o secretário, seria acabar com as cotas e que todos os sindicalizados – segundo ele, cerca de 40% da população – consultassem nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), para fazer todo o processo via SUS.

“Essa reserva é legal? Sem querer polemizar, não é essa a minha função. Não se apavorem em função de uma notícia que estamos discutindo, uma ideia que estamos amadurecendo. De uma maneira ou de outra, todos os munícipes serão atendidos”, diz Fornari.

No entanto, o secretário evita tomar posições mais fortes sobre o assunto. Ele afirma que uma solução para esse impasse deverá ser estudada pela prefeitura em parceria com o Fórum Sindical.

“Claro que vão ser atendidos, o sistema SUS é universal, não é só para os sindicalizados. A forma que vamos construir isso: se ampliando o número de exames, se vamos participar fazendo com que o sindicalizados entrem via sistema SUS, isso tem que ser discutido”, diz o secretário.

Caso termine o convênio entre sindicatos em prefeitura, os pacientes teriam de consultar diretamente nas UBS para fazer os exames. Isso geraria uma demanda por mais médicos nas unidades o que preocupa a Secretaria de Saúde, por isso, uma mudança, no curto prazo, é pouco provável.

Sindicalistas criticam
O coordenador do Fórum Sindical de Brusque, João Decker, diz que a possibilidade de cortar as cotas dos sindicatos, apresentada na reunião de segunda-feira, é inviável. “É uma piada, a contrapartida que os sindicatos dão na Saúde é muito grande”, afirma.

Decker diz que as consultas realizadas por meio dos médicos dos sindicatos aliviam o SUS. Isso, na visão dele, já é uma contrapartida dada pelas entidades. Somente o Sindicato dos Trabalhadores da Fiação e Tecelagem (Sintrafite) conta com 12 médicos, exemplifica.

Ciente da situação da saúde em Brusque, o sindicalista diz que os convênios e cotas de exames deverão continuar. “Acredito piamente que vão rever essa posição”, diz Decker. “É um sistema que funciona tranquilamente”, completa.

Uma nova reunião entre os sindicatos está marcada para 17 de abril. “Acredito que o secretário não estava inteirado”, afirma o coordenador do Fórum Sindical. Decker pretende levar o número de atendimento realizados nos sindicatos para o próximo encontro com Fornari.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio