STJ determina que apenas bafômetro e exame de sangue são provas de crime na Lei Seca

Depoimento de policial e médico deixam de valer como provas em ação criminal

STJ determina que apenas bafômetro e exame de sangue são provas de crime na Lei Seca

Depoimento de policial e médico deixam de valer como provas em ação criminal

Uma decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) na última quarta-feira, 28 de março, abre ainda mais brechas além das que já existem na Lei Seca, que deveria combater a combinação álcool e direção. 
Os ministros decididram, por 5 votos a 4, que apenas o teste do bafômetro ou o exame de sangue podem atestar o grau de embriaguez de um motorista para dar início a uma ação penal. Isso significa que mesmo que o policial perceba a estado de embriaguez do motorista e que um médico ateste isso, estas provas não valem mais em uma ação criminal. 
A decisão dos ministros do Supremo foi baseada na definição legal do Decreto 6.488/08, que determina a quantidade máxima de álcool por litro de sangue tolerada e quais são os testes de alcoolemia aceitos para comprovação criminal: exame de sangue e bafômetro. 
O responsável pelo setor de Trânsito do 18º Batalhão da Polícia Militar, capitão Otávio Manoel Ferreira Filho, explica que a decisão do STJ é válida apenas para a situação criminal, e que para a infração de trânsito o auto de constatação de embriaguez feito pelo policial continua valendo. 
– O que eles decidiram é o que na prática já estava acontecendo. No nosso estado só há denúncia pelo crime de embriaguez ao volante com o teste do bafômetro – esclarece, destacando que a decisão é uma infelicidade.

– Se não faz o teste, não tem crime, mesmo que a pessoa esteja caindo de bêbada. É lamentável, mas é a lei – completa.

Para o capitão, o princípio da autoincriminação, ou seja, o fator de que ninguém é obrigado a produzir prova contra si mesmo, é um dos principais fatores para que não exista uma prova criminal. 
– Hoje só dois tipos de pessoas fazem o teste do bafômetro: os leigos em relação à lei e as pessoas que são realmente honestas e conscientes de que estão cometendo uma infração, e essas são poucas – declara. 

** Na edição impressa do MDD desta sexta-feira, 30, você confere mais detalhes e opiniões sobre o assunto. Leia!

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio