Beatriz Baron Köhler, 37 anos, sonhava em ser mãe desde pequena. Ela sempre gostou da ideia de ter gêmeos e queria uma menina e um menino. Além disso, o fator genético estava a favor de Beatriz, que tinha tios gêmeos.

Pouco tempo antes de ter os filhos, ela conseguiu engravidar, mas teve um aborto espontâneo. Com isso, a ovulação desregulou. Como ela e o esposo, Dieter Murilo Köhler, 41, queriam ser pais logo, eles procuraram o ginecologista que acompanha Beatriz há anos, Solveig Marchi.

O médico passou um tratamento simples, que consistia num gel que deveria ser aplicado na região da coxa e tinha a função de regular a ovulação.

Por um mês, Beatriz aplicou o produto diariamente e logo conseguiu engravidar novamente. No primeiro ultrassom, o médico identificou que ela esperava gêmeos. Na semana seguinte da descoberta, a mãe teve um sangramento. Com medo de perder o bebê novamente, ela ligou para o médico que agendou uma consulta de imediato.

Beatriz sempre sonhou em tem um menino e uma menina / Foto: Eliz Haacke

Após um novo ultrassom, o profissional disse que eles não esperavam dois, mas três filhos. Köhler lembra que começou a suar após a informação e a assistente do médico gritou, tamanha a surpresa.

O sangramento era resultado do descolamento da placenta e, por isso, Beatriz ficou uma semana de repouso. Mas entre uma consulta e outra, os pais perceberam que o médico tinha um semblante de preocupação com a gravidez.

Com três meses de gestação, a pressão de Beatriz estava muito alta e ela precisou tomar medicamentos para regular. No quarto mês o médico disse que a gravidez tinha um risco alto e por isso ele encaminharia o casal para o médico Márcio Westphal, que é especialista no assunto.

Apesar da tristeza por ter que deixar o médico, Beatriz foi em busca do melhor para as crianças. O novo médico fez um ultrassom e disse inicialmente que eram quatro bebês, mas na verdade era só um reflexo de um dos três.

Os pais lembram que cada exame durava entre uma hora e meia e duas horas. No ultrassom seguinte, o médico disse aos pais que um dos trigêmeos estava morto. O feto era um menino e estava na mesma placenta do irmão. Já o terceiro bebê estava em uma placenta separada e era uma menina, mas eles só foram descobrir o sexo mais tarde.

Da esquerda para direita: Dieter Murilo, Marcos Gabriel, Beatriz e Ana Lara / Foto: Eliz Haacke

Os pais ficaram desanimados com a notícia, pois tinham medo de perder as outras crianças. A partir disso, os exames eram realizados a cada 15 dias. O pai confessa que eles oravam muito para que os outros dois bebês sobrevivessem. Um casal de amigos emprestou uma imagem de Nossa Senhora do Bom Parto e eles rezavam um terço todas as noites.

A mãe lembra que perguntou ao médico se havia um procedimento para ser feito para tirar o bebê que faleceu, mas isso não foi possível.

“Ele ficou até o fim. O outro foi crescendo e ele ia mumificando. O médico disse que não precisava fazer enterro e que no final quando sugasse a sujeira, ele seria tirado também”, revela.

Depois desse sufoco, a gravidez ficou mais tranquila. Próximo da data dos bebês nascerem, em outubro, a pressão de Beatriz subiu novamente. O médico faria o parto quando completasse 36 semanas, mas a bolsa estourou antes e ela precisou ir ao Hospital Santa Catarina, em Blumenau.

Como o profissional estava em um congresso, ela foi atendida pela médica que estava em plantão no hospital. Como saia pouco líquido da bolsa, a profissional preferiu deixar Beatriz em observação de um dia para o outro.

Crianças bivitelinas nasceram prematuras / Foto: Arquivo pessoal

O parto estava programado para o período da tarde do dia 19 de outubro de 2012, mas como o centro cirúrgico estava cheio, a médica precisou fazê-lo durante a manhã. Köhler estava na empresa trabalhando quando a mãe dele ligou informando que os filhos nasceriam. Ele saiu em disparada para Blumenau para acompanhar o nascimento.

A primeira a nascer foi Ana Clara e logo em seguida veio Marcos Gabriel Köhler. Os dois ficaram na UTI durante cinco dias devido às circunstâncias complexas da gravidez. A mãe não conseguiu amamentar pois os pequenos não tinham força para sugar o leite.

Pouco tempo depois, em um sábado, os meninos foram para casa. No dia seguinte, a casa estava lotada com familiares e amigos que gostariam de conhecer os bebês.

Por enquanto, ela e o esposo não pensam em ter mais filhos. Caso tenham, eles preferem ter gêmeos novamente. “Tinha que ser gêmeos porque não estamos acostumados (com um só). Se fosse um só estaria faltando algo para nós”, revela o pai. Como tem uma ovulação muito grande, caso engravide novamente, Beatriz pode ter uma gestação múltipla.

Beatriz afirma que os filhos significam tudo para ela, além de mudarem completamente sua vida. “Eu não consigo mais viver sem eles. Eles ficam uns dias fora e já faz uma falta enorme”, revela.


Você está lendo: Superação após a perda 


– Introdução
– Surpresa no dia do parto 
– Gêmeos em dobro
– Unidas pela maternidade
– O ABC da psicóloga
– As três Marias de São João Batista
– Gerações de gêmeas
– Vencendo a morte
– Rua dos cinco gêmeos 
– Os meninos da casa

Deixe uma resposta