Taxa de reprovação dos taxistas de Brusque no teste do Inmetro é zero

No total, o taxímetro de 70 veículos serão testados até a sexta-feira, 7 de fevereiro

Taxa de reprovação dos taxistas de Brusque no teste do Inmetro é zero

No total, o taxímetro de 70 veículos serão testados até a sexta-feira, 7 de fevereiro

Na segunda-feira , 3 de fevereiro, começou a aferição dos taxímetros de Brusque. Ao todo, o Inmetro vai testar o taxímetro de 70 veículos. Os primeiros 18 passaram no teste. Segundo o próprio Inmetro, a cidade mantém este padrão há mais de 20 anos.

A aferição acontece diariamente até sexta-feira, 7, quando encerram os testes. O aval dado pelo Inmetro deve ser renovado anualmente. Os taxistas têm que percorrer dois caminhos na avenida Beira Rio, um para checar a cobrança na bandeira um e outro para a bandeira dois.

O Inmetro de Itajaí é que fiscaliza as cidades da região. O metrologista do instituto e responsável pela operação, Aloirto da Silva, elogia os taxistas de Brusque. “A taxa de reprovação na cidade é zero. Aqui, os taxistas são muito responsáveis e competentes. Há mais de 20 anos que a cidade mantém este comportamento dos taxistas. Existem municípios onde há reprovações por diversos motivos. Há profissionais que não cuidam direito do negócio, mas aqui, isto não acontece”. 

O fato comprova a posição do presidente do Sindicato dos Taxistas Autônomos de Brusque, Modesto Luiz Bertoldi. O presidente afirma que Brusque é referência para a região e se orgulha de a cidade registrar aprovação total dos carros nas fiscalizações feitas pela prefeitura e também pelo Inmetro. 
Como funciona a operação
Para o taxímetro ser aprovado, os dois trechos devem resultar em uma cobrança de R$ 7,40 cada. O trecho da bandeira um tem 1102 metros, o outro tem 980 metros. A corrida parte com R$ 4 em ambas as bandeiras. Na primeira, um trecho de 141 metros custa R$ 0,40 e, na segunda, o mesmo valor é cobrado a cada 125 metros de corrida. Quem define os preços é a prefeitura.

Após a aprovação, o taxímetro é fechado com um lacre amarelo do Inmetro. Caso haja necessidade de manutenção, ou o taxista troque de carro, um mecânico autorizado pelo instituto deve fazer o serviço e fechar o taxímetro com um lacre azul. Se o equipamento não tiver um lacre amarelo ou azul, o táxi está em situação irregular. É uma situação rara, mas se algum passageiro flagrar um caso, o Inmetro pode ser avisado pelo telefone 3346-1418.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio