Caminhando pelo centro histórico de Braga você vai entender melhor porque ela é chamada de Roma portuguesa. Ali ficam as antigas termas romanas, e a arquitetura dos edifícios lembra muito a cidade eterna. Além disso, a cidade tem um santo muito conhecido por nós brasileiros, tenho certeza que alguma vez você já deve ter rezado para ele.

Você perdeu algo de muito valor – sentimental ou monetário – e não consegue encontrar de jeito nenhum? Que tal rezar para São Longuinho? Amanhã é comemorado o dia do santo, assim tenho a oportunidade de contar quando eu “conheci” São Longuinho e aproveitei para dar os três pulinhos em agradecimento por algumas vezes em que ele me ajudou.

É na cidade de Braga, um dos principais centros religiosos de Portugal, que a estátua em sua homenagem se encontra.

Santuário do Bom Jesus
Fica no alto de uma colina. É o segundo local religioso mais visitado do país, ficando atrás de Fátima. Muitos peregrinos, fiéis e turistas vêm ao local em busca de pagar uma promessa. Eles a cumprem subindo – muitas vezes de joelhos – os quase 600 degraus da escadaria que dá acesso à igreja.

Mas não é só por isso que ela é visitada, é também por sua beleza, toda em estilo barroco. Separada em patamares, há em cada um deles diferentes fontes de água, que estão relacionadas com os cinco sentidos ou com as três virtudes: fé, esperança e caridade.

Ao topo está a Igreja do Bom Jesus, um dos primeiros edifícios de estilo neoclássico do país. Logo em frente, no mirante – a vista da cidade é linda – está São Longuinho, é a única estátua equestre em Portugal feita em pedra.

Na tradição popular o São Longuinho é venerado por ajudar a encontrar objetos perdidos. Basta recitar “São Longuinho, São Longuinho, se eu achar – nome do objeto perdido – dou três pulinhos”. E então cumprir a promessa dando os três pulinhos dizendo: Achei, São Longuinho. Achei, São Longuinho. Achei, São Longuinho.

Se você subiu os degraus, quem sabe na volta pode descer de funicular movido à força hidráulica que há bem ao lado da escadaria, mas, claro, nada impede que se escolha fazer o caminho contrário.

Jardim de Santa Bárbara
É um dos mais bonitos do país. Datada do século XVII, com diversidade de flores, multicoloridas, belos arbustos de variados tamanhos. Vale a pena a caminhada para apreciar a natureza.

Sé de Braga
É a catedral mais antiga de Portugal. Sua construção data do ano de 1070 tem uma arquitetura rica pela presença de diversos estilos, ainda que predomine a romântica. É o local que estão enterrados Dom Henrique e Dona Teresa, pais de Dom Afonso Henriques, o primeiro rei. Por ser a mais antiga do país ,acabou dando origem a uma expressão muito utilizada em Portugal quando queremos dizer que algo é muito velho: “tal coisa é mais velha que a Sé de Braga!”

Igreja de Santa Cruz
Construída no século XVII, exibe uma complexa fachada de pedra em estilo barroco maneirista. O interior sofisticado possui um órgão e púlpitos com talha dourada, e ainda os lindos paineis de azulejos, típicos da cultura.

“Longuinho” foi um dos soldados romanos que acompanharam a crucificação e a morte de Jesus. Chamava-se, na verdade, Longinus, nome que significa “uma lança”. Por isso, acredita-se que ele foi o soldado que perfurou com uma lança o lado de Jesus, de onde brotou sangue e água, como São João afirma em seu Evangelho (Jo 19,34).

São Longuinho, como é conhecido, foi provavelmente o soldado que reconheceu Jesus como o “Verdadeiro Filho de Deus”, logo após a morte do mestre. Ele é citado pelos evangelistas São Mateus 27,54, São Lucas 23,47 e São Marcos 15,39, no momento da morte de Jesus.

Acesse aqui o canal da coluna no Youtube.

Matar o sonho é matarmo-nos. É mutilar a nossa alma. O sonho é o que temos de realmente nosso, de impenetravelmente e inexpugnavelmente nosso.
Fernando Pessoa, poeta português