Tia de 70 anos auxilia a sobrinha e atletas da Apvaeb em competições há quatro anos

Para Elvira Paloschi, "acompanhar o grupo na viagem é um prazer"

Tia de 70 anos auxilia a sobrinha e atletas da Apvaeb em competições há quatro anos

Para Elvira Paloschi, "acompanhar o grupo na viagem é um prazer"

Segundos após se acomodar na cadeira para iniciar a conversa com a reportagem, Viviane Aparecida Voss, a Vivi, anuncia: “ela é a minha anja protetora”. A afirmação, assim que proferida, parece atingir em cheio dona Elvira Paloschi que, acomodada na cadeira ao lado da sobrinha, abre um largo sorriso.

A relação entre as duas é de cumplicidade, de confiança e de carinho. O forte vínculo transparece até mesmo durante a entrevista. Enquanto uma fala, a outra acompanha com atenção e, por vezes, acrescenta alguma informação ou mesmo completa alguma frase mal formatada.

Além de tia, dona Elvira, de 70 anos, é a parceira de Vivi e de outros alunos da Associação de Pais e Voluntários dos Atletas Especiais de Brusque (Apvaeb) durante os Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc) há quatro anos.

Quando viaja para a cidade em que será realizada a competição, dona Elvira ajuda não somente a sobrinha durante as provas, como também auxilia – em parceria com os técnicos e os outros voluntários – os demais atletas com a lavagem dos uniformes e com a animação do QG da Apvaeb.

“O pessoal da Apvaeb um dia me ligou para dizer que como a Vivi tem dificuldade em algumas tarefas, e como no Parajasc tudo tem que ser feito mais rápido, seria importante que tivesse alguém ajudando ela, e me convidaram. Então eu aceitei e fui”, conta.

Vivi tem dificuldade de coordenação motora e, além de aluna da Apvaeb, também é aluna da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Brusque (Apae) desde os 7 anos de idade. Hoje, aos 31, é uma das atletas de destaque da Apvaeb e autodefensora da Apae – cargo que tem a função de defender os direitos dos alunos da instituição.

Ela pratica esportes há mais de 10 anos e coleciona cerca de 50 medalhas em diversas competições e modalidades, como atletismo e caminhada. No Parajasc, Vivi disputa o torneio de bocha.

No primeiro Parajasc, disputado em Itajaí, a tia da atleta se dedicou, sobretudo, à sobrinha. Tornou-se o braço direito de Vivi. Levava ela às provas e também auxiliava no dia a dia, com a alimentação e com as demais atividades.

No decorrer das competições, as funções de dona Elvira foram aumentando e os cuidados, que se restringiam à sobrinha, alongaram-se para os demais atletas. No último Parajasc, disputado em maio deste ano, ela também ajudou outra atleta de bocha. “Eu levava elas até o local das provas e ficava lá acompanhando e também ajudando se elas precisassem. Os técnicos não podem ir em todos os lugares de prova porque tudo acontece ao mesmo tempo, então eles precisam dessa ajuda”, conta.

Para dona Elvira, acompanhar o grupo na viagem é um prazer. Além de poder ajudar os alunos e a instituição, ela também se diverte e aprende ao longo dos cerca de cinco dias de competições.

“A gente tem que conviver com eles para entender como é a vida deles, e o Parajasc é uma boa oportunidade para isso. Nós ficamos alojados em uma escola e convivemos dia e noite. Eles são muito carinhos e a gente se diverte muito”. Enquanto que para dona Elvira o aprendizado e a diversão são dois aspectos que fazem parte da presença dela no Parajasc, para Vivi, a segurança da companhia da tia é o aspecto principal durante as disputas.

“É muito bom quando ela vai. Ela me conhece no meu eu, sabe quando eu estou feliz e também sabe quando eu estou triste. Então contar com ela é ótimo. Eu espero que ela continue indo nos jogos”, afirma a atleta. Se depender da vontade e da disposição de dona Elvira, Vivi terá a presença da tia por muitos anos. A “anja da guarda” da atleta garante: enquanto tiver saúde, estará lá.

Conheça as duas entidades

Apae

A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Brusque (Apae) de Brusque foi criada há 60 anos a partir da iniciativa do Dr. Carlos e de sua esposa Ruth de Sá Moritz, que buscavam serviços que pudessem atender o filho Pierre. Ao longo desta trajetória, outros pais e amigos se juntaram à caminhada, com o intuito de fortalecer a entidade e qualificar os serviços a serem prestados.

Apvaeb

Fundada pelo policial civil aposentado Marcos Maestri, a Associação de Pais e Voluntários dos Atletas Especiais de Brusque (Apvaeb) completou 11 anos de fundação no dia 24 de fevereiro de 2005. Hoje, o grupo acumula medalhas e troféus em competições estaduais, nacionais e internacionais.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio