O mundo passa ser outro. Penso mesmo que se trata daquilo que é, em toda a sua potência. Basta prestarmos atenção. Requer contemplação. Somente quando nos permitirmos olhar como uma criança em ascensão, crescendo, vivendo cada momento como único é possível ver o poder ser para além do ser. Mas, ainda mais, é prazeroso ver um adulto que se disciplina para ter esse olhar. Não é fácil, e ao mesmo tempo tão simples…Nos ensinaram que refletir é difícil, cansativo…Ah, que lorota! Karline Beber Branco nos mostra isso com sua delicadeza e profundidade. E não tenho dúvidas de que ela aprende e ensina nesse ato. Cada questão que seu filho aponta é motivo para rever e repensar atitudes e construir a partir disso poesia. Quando fui convidada para participar dessa mostra, também me senti reencantada pelo mundo. Onde o desenho, a cor e as cenas não tinham necessidade alguma de serem eternizadas, mas vê-las como instantes totais e únicos, como somente a voz de uma criança faz possível ser. Nas ilustrações consegui me libertar de condições formais, de suportes imperiais e de cores realistas, para adentrar o mundo proposto pela belíssima relação entre mãe e filho. Nesse cordão umbilical que não se desmancha ao ser cortado, mas que se mantém vivo nas peculiaridades de cada um, construtores de histórias e de rimas, ressignificando o cotidiano e a vida, de tal forma que somente a poesia do existir possibilita.


Sílvia Teske
– artista

 

 

O número passa dos dedos das mãos, de papais e mamães, que já me disseram que suas crianças lhes chacoalharam com perguntas de tirar o fôlego. É nesse ritmo que a mostra literária “UÉ” se envolverá.

Queremos pausar os questionamentos infantis e provocaremos quem nos lerá e apreciará a embarcar na máquina do tempo que lançará os adultos ao momento em que quiseram pular na poça, ignorar o relógio ou acompanhar formigas carregando borboletas mortas.

“UÉ” era palavrinha cismada na fala de meu filho Isaac, e alguns motivos – que se revelarão na mostra – fizeram com que eu me habituasse a registrar suas perguntas mais encrenqueiras, as mais importunas, as mais poderosas. Tais investidas não são exclusividade dele, estão por toda parte e “UÉ” pretende nos sensibilizar para isso.


Karline Beber Branco
– professora e mãe

 

 

Eu sou a madrinha. Fui uma das primeiras a vê-lo, logo depois de nascer. Peguei no colo e inventei brincadeiras mil. Fui acarinhada sendo escolhida pela Karline, recebi a tarefa de ajudar, orientar.

Não me refiro somente ao meu afilhado Isaac, que acabou de completar 9 anos, mas também a esta coletânea de poesias propostas por ele ao longo de sua caminhada e tão atentamente transformadas pela escuta materna.

Fui a madrinha ao ser escolhida para produzir a mostra que teve projeto aprovado pelo Fundo Municipal de Cultura, através de edital, e que agora estreia, com frases e diálogos recheados de doçura e sapiência. Fiz a conexão entre as palavras e as imagens da Silvia, propondo uma conversa que “tinha que acontecer”.

O conteúdo da mostra nos desconcerta pela simplicidade, pelo jogo do imaginário, por nos investigar como crianças que já fomos. Talvez se não tivéssemos parado de perguntar e nos encantar com o que nos cerca seríamos todos Manoel de Barros.


Lieza Neves
– atriz, escritora, produtora cultural…

 

 

Ué! Mostra literária e visual (programação gratuita)

06/09, às 19h – Abertura e palestra “A importância do reencantamento pelo mundo por meio da voz da criança” com Karline Beber Branco, no auditório da Faculdade São Luiz

Visitação:
06 a 18/09 – Faculdade São Luiz
18/09 a 29/09 – Fundação Cultural
29/09 a 09/10 – Uniasselvi/Assevim
09/10 a 20/10 – Sesc

O mundo passa ser outro. Penso mesmo que se trata daquilo que é, em toda a sua potência. Basta prestarmos atenção. Requer contemplação. Somente quando nos permitirmos olhar como uma
Conteúdo exclusivo para assinantes

Para ler todas as notícias, assine agora!

Oferta especial para você ficar
bem informado SEM LIMITES

Menos de

R$ 0,35
ao dia
R$ 9,90 ao mês