Unifebe inaugura primeiro laboratório de impressoras 3D de Santa Catarina

Espaço está anexo ao Centro de Tecnologia e Inovação em Fabricação e conta com oito equipamentos

Unifebe inaugura primeiro laboratório de impressoras 3D de Santa Catarina

Espaço está anexo ao Centro de Tecnologia e Inovação em Fabricação e conta com oito equipamentos

O Centro Universitário de Brusque (Unifebe) inaugurou na noite desta quarta-feira, 22, o Innovation Center In³D, laboratório de manufatura aditiva, o popular 3D. O espaço de 50m² é anexo ao Centro de Tecnologia e Inovação em Fabricação (CTIF) da universidade e conta com oito impressoras 3D, um scanner tridimensional e computadores com softwares dedicados à Engenharia.

O laboratório é o primeiro Innovation Center da empresa Makerbot no Brasil e desenvolverá projetos e pesquisas voltadas à área das Engenharias, além de permitir o desenvolvimento de protótipos e soluções para empresas e a comunidade.

  • Veja uma das impressoras em funcionamento

No novo laboratório, os acadêmicos dos cursos de Engenharia Mecânica, de Produção, Civil e Química, terão contato com o que há de mais moderno na área, proporcionando mais qualidade na hora de ingressar no mercado de trabalho.

“Com o laboratório, buscamos alterar a forma de pensar do estudante. Aqui, além das pesquisas, eles poderão construir componentes na prática e ver aquilo que eles imaginavam saindo do papel”, diz o coordenador do laboratório, professor Denis Boing.

De acordo com ele, a impressão tridimensional já é considerada a quarta revolução industrial, por isso, é importante que os estudantes já saiam da universidade dominando esta tecnologia.

“Vamos desenvolver vários projetos com os acadêmicos. Queremos formar engenheiros imersos nesta tecnologia. É uma coisa nova para todo mundo, vamos criar uma dinâmica de trabalho grande, um senso de inovação entre os estudantes”, destaca.

Além das Engenharias, outros cursos da instituição poderão utilizar o laboratório e desenvolver protótipos por meio da impressão 3D. “O curso de Arquitetura, por exemplo, pode criar maquetes. O curso de Design de Moda pode criar sapatos e desenvolver a sola em 3D. Há várias possibilidades dentro do laboratório”.

Laboratório para os estudantes
O reitor da Unifebe, Günther Lother Pertschy, afirma que o laboratório In³D, representa um grande salto para a universidade, e possibilitará o desenvolvimento de produtos e inovações para todo o setor industrial da região, desde o metalmecânico até o têxtil.

“O nosso nível de qualificação dará um grande salto. Aqui, poderemos desenvolver novos produtos, adequando à planta fabril das empresas, gerando mais emprego e lucratividade”.

Pertschy destaca ainda que o laboratório será totalmente para o uso dos estudantes, que terão liberdade para desenvolver seus projetos utilizando os equipamentos. “Queremos que os nossos acadêmicos usem o laboratório para abrir novas fontes de conhecimento. Muitas universidades certificam seus laboratórios, mas não permitem um acesso direto de seus estudantes”.

De acordo com o reitor, a ideia de implantar o In³D surgiu em uma visita à Universidade Politécnica da Flórida, no ano passado. Lá, existe um modelo similar ao implantado em Brusque e, por meio do convênio entre as duas universidades, foi possível desenvolver o projeto. “Conversando com eles descobrimos a Makerbot, fabricante que acreditou na nossa proposta e foi possível implantar o projeto”, diz Pertschy.

Para o diretor da Wishbox Technologies – empresa representante da Makerbot no Brasil – Tiago Marin, a Unifebe sai a frente de muitas universidades brasileiras ao investir em tecnologias que contribuem para a formação dos alunos. Com a instalação do Centro de Inovação voltado ao uso de impressoras 3D, a universidade será pioneira em Santa Catarina.

Como funciona
As oito impressoras estão conectadas aos computadores com os softwares. Para fazer a impressão de um protótipo, os estudantes, primeiro, utilizarão o sistema fazendo uma espécie de desenho do objeto que pretendem imprimir.

No software, os acadêmicos definem as dimensões desejadas e, por meio desses comandos, as impressoras funcionam, tornando real os protótipos.

O tempo de impressão depende do tipo do protótipo. Há alguns que ficam prontos em 15 minutos, outros, mais complexos, podem levar mais de 15 horas.

Investimento
O investimento em infraestrutura e equipamentos foi de R$ 110 mil. A construção do laboratório foi possível devido a chamada pública da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (Fapesc) de apoio a grupos de pesquisa das instituições do sistema Acafe.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio