Estou trocando as exclamações desta semana, ou seja, aquelas pequenas notícias mais ou menos novinhas que valem a pena conhecer, por uma conversa completamente fora de qualquer linha cronológica. Poderia me desculpar, mas vou só dar uma explicação rápida: aconteceu, praticamente por acaso, de finalmente ter parado para assistir à versão mais recente de Mogli, da Disney. Aquela que foi lançada em 2016. A versão live action.

Se você já viu, talvez compartilhe comigo um pouco do desconforto que senti. Especialmente se você também tiver uma ligação emocional (eita, hoje é o dia da memória emocional… ou será que todo dia é dia de filtrar tudo pelo que faz parte do nosso repertório pessoal? Também pode ser…) com o desenho lançado em 1967.

Faço parte daquele grupo de pessoas que acha que os filmes infantis da Disney pesam demais a mão nas músicas. O que nem atrapalha tanto, quando as músicas são boas… mas a gente sabe que isso não é sempre o padrão. Nesta nova safra de remakes dos clássicos, a empresa está deixando um pouco de lado as canções. Isso fica bem claro em Mogli. Talvez as musiquinhas infantis não combinassem com o clima mais sombrio do filme. Temos aí a causa do desconforto? Pois é.

Mogli, a nova versão, cabe em uma categoria cada vez mais comum: os filmes que parecem ser infantis, mas não são. Enquanto o desenho ia naquela linha de evitar grandes dramas e grandes tragédias, o filme de 2016 faz o contrário. Troca a música pelos cenários sombrios, troca a aparente facilidade de sobrevivência do “filhote humano” na selva por mortes chocantes e riscos que geram muito suspense… adulto.

Ok, a gente sabe que a infância não é mais a mesma… e a gente sabe que os desenhos antigos nem sempre eram levinhos e inocentes – ou você nunca reparou na Rainha Má rindo, enquanto planeja enterrar viva a Branca de Neve? Às vezes a nossa memória é um bocado seletiva.

Comparando personagem por personagem, cena por cena, fica a impressão de que o objetivo do filme recente é ser mais realista, menos inocente. A questão é: será que isso é uma boa escolha? Será que o público de filmes infantis não é mais composto por crianças, mas por crianças de tempos passados, que querem reciclar seus amores, mas de um ponto de vista mais adulto? Ou será que a Disney acredita que a inocência saiu de moda? Fica a dúvida.

Estou trocando as exclamações desta semana, ou seja, aquelas pequenas notícias mais ou menos novinhas que valem a pena conhecer, por uma conversa completamente fora de qualquer linha cronológica. Poderia
Conteúdo exclusivo para assinantes

Para ler todas as notícias, assine agora!

Oferta especial para você ficar
bem informado SEM LIMITES

Menos de

R$ 0,35
ao dia
R$ 9,90 ao mês