Vereador de Guabiruba pede instalação de para-raio em escolas municipais

Proposta visa evitar queima de equipamentos elétricos ocasionadas pelas frequentes tempestades

  • Por Redação
  • 13:20
  • Atualizado às 9:20

Vereador de Guabiruba pede instalação de para-raio em escolas municipais

Proposta visa evitar queima de equipamentos elétricos ocasionadas pelas frequentes tempestades

  • Por Redação
  • 13:20
  • Atualizado às 9:20
  • +A-A

O vereador Valdeci Gomes Ferreira, o Boiadeiro (PDT) teve aprovada, na última sessão da Câmara de Guabiruba, sua indicação ao governo municipal, no sentido de que seja instalado para-raio nas escolas do município. O tema ainda será analisado pela prefeitura.

Boiadeiro conta que foi procurado por representantes da escola Paulo Schmidt, no bairro Pomerânia, e que lhe foi relatado a ocorrência de problemas ocasionados por descargas elétricas. No último fim de semana, o temporal que caiu sobre a região provocou estragos, por causa de um raio que caiu bem próximo à escola, o qual danificou parte da estrutura e dos aparelhos eletrônicos.

“Por isso, fiz um pedido para que se coloque para-raio em todas as escolas. Se aconteceu lá, é melhor prevenir para que não aconteça nas outras”, afirma o vereador do PDT. Boiadeiro argumenta que as tempestades de raios são recorrentes na região e, por isso, quem não estiver protegido pode se sujeitar a acidentes e prejuízos financeiros.

Questionado sobre os custos gerados por sua solicitação, o vereador acredita que a instalação de para-raio não será muito onerosa ao município, visto que cada equipamento, conforme preço médio de mercado, custa R$ 200, mais o valor a ser pago pelo serviço de instalação.

“Podemos fazer um projeto em cima disso. Não é um preço absurdo, e é muito importante para a segurança das crianças e dos professores”, diz.

A secretária de Educação de Guabiruba, Edna Maria Mensor Bento, diz que está ciente da reivindicação do vereador e que ela será analisada. Como a legislação não estipula obrigatoriedade de instalação de para-raios em edificações com menos de 750 m² de área construída, cada caso será avaliado.

“Vai ser feito um levantamento sobre a viabilidade e necessidade dos para-raios. Vai precisar de um projeto, terá que ser aprovado pelo Corpo de Bombeiros. Não dá para dizer que será feito, nem que não”, comenta a secretária.
Forte incidência

A preocupação do vereador com os raios é referendada por números do Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat), órgão nacional destinado ao estudos científicos da eletricidade na atmosfera. Números repassados ao Município Dia a Dia dão conta de que, por sua localização e clima característicos, Brusque, Guabiruba e Botuverá têm uma das maiores taxas de descargas de raios por metro quadrado do Brasil.

Conforme o Elat, Brusque tem uma média de 9,41 raios por metro quadrado, enquanto Guabiruba, com 10,08, e Botuverá, com 10,26, possuem índices ainda maiores. Em números reais, juntas, as três cidades registram 2.590 descargas elétricas em 2014.

Conforme a Epagri/Ciram, os municípios do Vale do Itajaí têm uma maior incidência de raios porque nesta região três fatores primordiais são presentes: temperaturas altas, umidade e frentes frias.

O para-raio

Eles são estruturas metálicas que absorvem a energia da descarga elétrica, evitando prejuízos ao imóvel e às pessoas que nele habitam. Qualquer edificação com mais de 750 metros quadrados têm de ter para-raios obrigatoriamente, sendo comercial ou não. A Instrução Normativa de número 10, de março deste ano, é que regulamenta os sistemas de proteção contra descargas atmosféricas. É recomendado procurar auxílio de um profissional.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio