Conteúdo exclusivo para assinantes
Página 3

Bastidores da política e do Judiciário, opiniões sobre os acontecimentos da cidade e vigilância à aplicação do dinheiro público

Vereador e secretário da Prefeitura de Brusque trocam farpas em entrevista

Página 3

Bastidores da política e do Judiciário, opiniões sobre os acontecimentos da cidade e vigilância à aplicação do dinheiro público

Vereador e secretário da Prefeitura de Brusque trocam farpas em entrevista

Página 3

O vereador José Zancanaro, do PSB, ex-secretário de de Educação de Brusque, e o secretário de Governo e Gestão Estratégica, William Molina, trocaram farpas publicamente na manhã desta terça-feira, 20.

Zancanaro já havia se queixado do governo Jonas Paegle durante a última sessão da Câmara de Brusque, quando reclamou da demissão de aliados pelo governo, o que fez novamente, em entrevista à rádio Diplomata.

Na entrevista, ele citou nominalmente o secretário Molina. “Pessoalmente, gosto muito dele, mas não serve para ser secretário de governo, tem que ser alguém do meio político, para articulação política”.

Zancanaro reclamou que o governo demitiu de cargos comissionados pessoas que trabalharam para eleger o prefeito Jonas Paegle, e classificou a atitude como “ingratidão”. “São pessoas que subiram barranco, desceram ladeira, pedindo voto.

Em contrapartida, estão lá pessoas que não ajudaram a empurrar o caminhão, que inclusive estavam do outro lado”, afirmou. Também reclamou da falta de afinidade de Paegle com os membros do PSB, partido pelo qual se elegeu. Classificou também a falta de diálogo com o PSB como efeito da “ganância do PMDB em abocanhar cargos”. “Se ele não quer ouvir o PSB, se desligue do PSB”, ponderou.

Zancanaro disse, ainda, que o gabinete do prefeito está lotado de cargos comissionados, mas está sempre “de portas fechadas” para as pessoas. Opinou que o governo não elege as prioridades corretas para fazer contenção de despesas, e acaba penalizando a educação e os professores.

“Ali [gabinete] é possível fazer contenção de despesas, e não na educação. O professor não ganha muito, ganha até muito pouco”. O ex-secretário afirmou também que iria retornar para a Câmara, mas não da forma apressada com que aconteceu. Disse que o prefeito o “convidou” a ir para a Câmara porque a nova secretária já estava escolhida.

Pouco depois da entrevista de Zancanaro, o secretário William Molina foi quem concedeu entrevista à Diplomata. Ele foi com o objetivo de falar sobre o decreto que regulamenta o comércio ambulante, mas, tendo em vista as palavras do vereador, também utilizou parte do tempo para rebater as declarações.

“A própria comunidade já está cansada desta velha política que eles pregam, daquela gestão de fazer as coisas não da forma que determina a lei. Essa política acabou, a população clama por pessoas competentes, capazes”, afirmou.

Molina afirmou, ainda, que Zancanaro não pode mais contribuir com o governo. “Ele é um cidadão, não em desrespeito à sua idade, ou à sua condição intelectual, mas ultrapassado. Já foi a época que ele poderia contribuir, fazer uma gestão de qualidade. Quem deve julgar não somos nós, é a população”, afirmou.

“Estávamos caminhando para trás, num momento de regressão. A fala dele foi muito inoportuna, infeliz, de uma pessoa magoada, triste por ter perdido o cargo de secretário”.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio