No segundo mandato à frente da Prefeitura de Botuverá, o prefeito José Luiz Colombi, o Nene (PMDB) planeja diversas obras para o município este ano. Entre as principais, ele cita a busca de recursos para o início do anel viário do município, além da inauguração da creche que suprirá por dez anos a demanda de vagas na educação infantil na cidade.

O prefeito também comenta os anos de atraso para o início da barragem e a cobrança para a melhoria dos serviços da Casan e da Celesc no município.

Abastecimento de água
“Estamos trabalhando há quase dois anos nessa questão porque Botuverá tem uma questão atípica. A Casan toca no perímetro urbano, mas como eu expandi o perímetro, ela também seria a responsável, mas não está fazendo. Hoje temos uma parte que a Casan cuida e outra que a prefeitura cuida.

Já procuramos a Casan. Ou assume tudo ou entrega para a prefeitura.  A Casan se pronunciou dizendo que assumiria e faria gradativamente as nossas ligações, que são seis poços artesianos. Em 2018 vamos ter uma decisão. Será uma decisão tomada em parceria entre Executivo, Legislativo e comunidade. A responsabilidade hoje é da Casan. O contrato diz que tem que cuidar da água do município todo, mas não está cuidando, por isso, vamos tomar essa atitude”.

Energia elétrica
“Botuverá é um município que cresceu muito. Nos últimos quatro anos, triplicou sua capacidade de uso de energia. É importante falar da participação da Acibr nesse trabalho, eles estiveram junto comigo e conseguimos um investimento grande há dois anos atrás, que foi a rede nova de Botuverá, mas faltou o bairro de Águas Negras, que agora será investido mais R$ 1,5 milhão. Estivemos na Celesc, falamos com o presidente e vai ser feito agora em 2018, o que irá resolver o problema de Botuverá definitivamente.

Além disso, sempre cobramos a terceira subestação de Brusque. Sabemos que não adianta cobrar em Botuverá se não resolver em Brusque.

Outra questão com a Celesc é a retirada das árvores das redes, inclusive, eu fiz uma lei para a retirada de 15 metros de cada lado dessas árvores e levamos para a Celesc fazer a derrubada, precisamos que eles derrubem e cumpram a lei.

E tem também a situação das piscadas, que tem a ver quando a vegetação encosta na linha. Os empresários tem um prejuízo grande com as máquinas. E, em 2018, vamos trabalhar firme para isso também. A Celesc já ajudou muito Botuverá, mas a cobrança nunca é demais”.

Saúde
“Na área da saúde estamos bem, não temos cirurgias e exames em atraso, a gente mantém em dia. Temos três postos de saúde, Botuverá só comportaria dois, mas como temos o bairro da parte alta e prevendo a vinda da barragem, abrimos um posto de saúde por conta da prefeitura lá.

Temos cinco médicos trabalhando, uma boa estrutura. Vamos reformular toda a frota para o transporte de pacientes. O que nós precisamos é trabalhar com a equipe que já temos, fazer adequações de equipamentos. Em Botuverá já temos dentro do Sisreg, quase 100% das cirurgias e exames cadastradas e as pessoas têm acesso online a isso. Foi um avanço muito grande”.

Educação
Estamos finalizando obras de mais de R$ 4 milhões de escolas e creches. Estamos finalizando uma escola em Pedras Grandes e também a creche no Centro. Vamos separar as crianças por tamanho. Em Águas Negras ficará a educação infantil, da creche até o pré, e do primeiro ao quinto ano, será em Pedras Grandes, na escola nova.

No Centro, vamos inaugurar a creche com 100 vagas em tempo integral. Nos próximos dez anos não teremos problema de vagas em creche e já estamos adquirindo outro terreno para a construção do pré-escolar perto da creche. Queremos deixar toda a educação infantil no mesmo local”.

Infraestrutura
“Temos muitas obras em andamento, federais, do estado e com recurso próprio. Fizemos 14 pontes de concreto novas, estamos para licitar o restaurante das Cavernas. No Águas Negras vamos investir R$ 350 mil, com a urbanização do bairro todo e dois quilômetros de calçada. Temos recursos para pavimentação no Avançar Cidades, de R$ 1,5 milhão, para cinco ruas, e agora estamos fazendo os projetos.

Outro projeto que vamos trabalhar fortemente,  que terá recursos do Fundam é o início do anel viário de Botuverá. Vamos tentar tirar o trânsito das carretas do Centro e fazer passar por fora. Já temos o projeto de uma ponte, e vamos buscar o dinheiro do Fundam para construí-la. Vai custar mais de R$ 2,5 milhões.

Também estamos trabalhando fortemente com as ADRs de Brusque Ituporanga para tentar o recurso que está no orçamento do governo há três anos, para a abertura da estrada de Botuverá a Vidal Ramos. Vamos brigar por essa obra porque é importante para toda região”.

Atrasos da Barragem
“É inadmissível. Eu não sou de enrolar, de ficar falando sempre a mesma coisa e não fazer. A barragem não é uma obra da prefeitura, mas eu participei diretamente disso. Em dezembro teve a consulta pública, todos aprovaram a mudança dos limites do Parque Nacional da Serra do Itajaí e acredito que agora, em pouco tempo, deve sair a medida provisória que vai mudar o limite do parque. De dois hectares estamos doando 300 hectares. Essa é uma conta complicada para o povo entender.

A população entende que a questão ambiental é complicada, mas é uma indignação muito grande esse atraso. O custo benefício dessa obra é muito grande para ficar parada. Vamos torcer para que agora no início do ano a licença ambiental saia e licitação possa ser feita”.

Arrecadação
“A previsão é de melhora. Nós estamos trabalhando em parceria com o Ministério Público e Ammvi em um projeto de saúde fiscal dos municípios. Nesse projeto, os prefeitos assumiram o compromisso de fazer uma revisão fiscal das receitas de seus municípios.

Às vezes os prefeitos reclamam, mas não fazem o dever de casa, por isso este projeto é importante, e nós estamos fazendo.

Já fizemos muitas ações também com o objetivo de aumentar a arrecadação. Estamos cobrando algumas dívidas ativas, inclusive, colocamos um pouco no cartório para cobrar.

Com a ampliação do perímetro urbano também queremos duplicar o IPTU em 2018, vamos licitar uma empresa para fazer a cobrança do IPTU no novo perímetro urbano. Essas são algumas ações para o incremento de receita”.

Turismo
“Fizemos um inventário do turismo que já está no site da prefeitura e estamos iniciando um grande projeto. Junto com o museu, a um quilômetro das Cavernas, vamos construir um grande centro de eventos com hotel, quadras, piscinas, trilhas ecológicas. É um grande projeto, estamos pedindo a concessão da Votorantim para a prefeitura porque as terras são da empresa e, se não for feita a cessão, vamos desapropriar e iniciar um trabalho em parceria com a iniciativa privada para a construção de hotel. Já existem empresas privadas querendo ser parcerias.

O principal objetivo é a integração, as pessoas vem, ficam no hotel e dali terão os guias para levá-los aos pontos turísticos da cidade. Queremos que o turista venha, fique pelo menos três dias e circule dentro do município”.

Eleições 2018
“Estou sendo muito procurado para lançar candidatura, principalmente do ramo cooperativista, porque sou fundador da Cresol. Sou agricultor, não tenho condições para isso e também preciso dar a resposta aos meus eleitores de Botuverá. Fui eleito prefeito, se eu for candidato a deputado terei que renunciar, e não é o que eu quero hoje, quero terminar meus projetos, tenho muitos projetos para tocar, não é o momento agora de pensar nisso”.

Relação com a Câmara
“Tenho que parabenizar os vereadores. Temos uma parceria muito grande até com a oposição. Trabalhamos em conjunto, já fui vereador e sei como funciona. Felizmente, não temos nenhum problema”.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980