Vigilância Epidemiológica de Brusque tranquiliza população sobre febre amarela

Apenas as pessoas que forem viajar para áreas de risco devem procurar a vacina

Vigilância Epidemiológica de Brusque tranquiliza população sobre febre amarela

Apenas as pessoas que forem viajar para áreas de risco devem procurar a vacina

A febre amarela tem se tornado motivo de preocupação em estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Minas Gerais. Em Brusque, não houve nem mesmo caso suspeitos da doença e, portanto, não provoca alertas. Houve uma suspeita em Gaspar.

A enfermeira da Vigilância Epidemiológica de Brusque, Natália Marchi, afirma que não há necessidade para que a população busque a vacina com urgência. “Neste momento só devem procurar o serviço aqueles que forem viajar”, comenta. A vacina precisa ser aplicada com 15 dias de antecedência à viagem para que a eficácia contra o vírus seja garantida.

A vacinação contra febre amarela é realizada de segunda a sexta-feira, na sala de vacinas no Centro de Serviços em Saúde, na rua Prefeito Germano Schaeffer, no Centro, em frente ao Terminal Urbano, de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h às 17h. Os grupos que devem ser vacinados são crianças nascidas em 2017 a partir do nono mês de vida, além de viajantes entre 9 meses e 59 anos. Pessoas com mais de 60 anos precisam de recomendação e liberação médica por escrito. Uma única dose de vacina basta. Não há necessidade de renovação.

“Não somos uma área que recebe a recomendação de vacinação, não temos primatas mortos pela doença e a população de Brusque não corre risco na região”, explica Natália. Ela também destaca que a forma da doença que tem ocorrido é a silvestre, transmitida pelos mosquitos de gênero Haenagogus e Sabethes. Não há registros de casos do ciclo urbano da doença envolvendo o Aedes aegypti desde 1942.
“Se um caso for contraído na nossa região, a própria 15ª Regional do Estado vai emitir algum tipo de alerta. Se este caso foi contraído em outro estado, por exemplo, não seria algo a nos atingir diretamente”, reitera.

Quem deve se vacinar?
Devem se vacinar apenas as pessoas que vão para alguma área de risco (estados de São Paulo, Bahia, Rio de Janeiro e Minas Gerais), ou para um país que exija a vacina. Em caso contrário, não há necessidade no momento.

Diagnóstico
Quando há a suspeita de febre amarela, o hospital precisa entrar em contato com a Vigilância Epidemiológica do município. Essa, por sua vez, deve notificar Florianópolis. É de lá que vem a liberação para a coleta do exame, e a análise em si. O laudo com resultado fica pronto em cerca de 15 dias.

Prevenção
Além do uso de repelentes e da vacina (quando necessária), as formas de prevenção são as mesmas utilizadas para doenças como a dengue: evitando acúmulo de água em locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença, como latas, embalagens, copos plásticos, pneus, vasos de plantas, garrafas, caixas d’água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros recipientes.

Sintomas
Os sintomas iniciais costumam variar, mas sobretudo começam com febre, calafrios, mal-estar, dores musculares, vômito, diarreia e dor de cabeça. Depois disso, a doença pode acometer diversos órgãos do corpo, provocando hemorragias.

Macacos e febre amarela
O macaco serve como um “termômetro” de doenças, auxiliando na identificação e no combate ao vírus. Por isso, ele é tão vítima quanto as pessoas e não apresenta qualquer ameaça. Quando um macaco doente é encontrado, significa que o mosquito contaminado está pela região, o que ajuda no trabalho das autoridades de controle.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio