Carlos Renaux vai ao Oeste e só precisa acertar o pé para marcar os gols necessários

Carlos Renaux vai ao Oeste e só precisa acertar o pé para marcar os gols necessários

João Vítor Roberge

O Carlos Renaux continua sua imitação da campanha de 2018 na Série C do Catarinense: empatou sem gols no Augusto Bauer no jogo de ida das semifinais, desta vez contra o Caçador.

Enfrentou uma equipe mais experiente, com catimba, que adorou o resultado, afinal tem a vantagem dos dois empates. A equipe do Vovô, bastante jovem, segue desperdiçando gols.

Desde 2018, só marcou mais que um gol em uma mesma partida em três oportunidades. O potencial está ali, o trabalho é bom, e falta o detalhe da finalização. Vencer em Caçador será tarefa dificílima, mas nada está perdido. Que o Carlos Renaux beba da água de seu caçula, Brusque: o quadricolor vivia fase terrível diante do gol adversário e agora produz gols em escala industrial.

Pois que não volte

O jogador do São Pedro que agrediu o árbitro Alexandre Ramos nas quartas de final do Campeonato de Futebol Amador de Guabiruba foi suspenso por dois anos. Culpou a vítima pelas agressões e disse que não se importaria em ter suspensão perpétua da competição. Que assim seja, que jamais volte a jogar. Teve a chance de reconhecer publicamente o absurdo que cometeu e, em vez disso, abusou da arrogância. O esporte amador não precisa disto. E que a Secretaria de Esportes, Lazer e Assuntos para a Juventude tome quantas medidas de segurança forem necessárias.

Indiretas

A Torcida Força Independente (TFI) vive um clima incômodo com a diretoria do Brusque e com alguns jogadores do elenco. Sem identificar os alvos das críticas, a TFI diz que “não tem voz” no clube. A torcida também reclama da presença de “jogador estrelinha e baladeiro” e defende a renovação dos ídolos Cleyton e Neguete para 2020. De forma até surpreendente, o time invicto há sete jogos, com 90,47% de aproveitamento sob o comando de Jersinho Testoni, tem atletas que irritam a torcida organizada do quadricolor.

Foto: SE Bandeirante/Arquivo

Basquete dos anos 80

Com seus agasalhos de viagem, os jogadores do Bandeirante posam para a foto em 1987. O técnico era Zurico Frota, atual presidente do Brusque Basquete. Você identifica os jogadores de todo o elenco? Quer compartilhar uma memória do esporte? Envie um e-mail com descrição da imagem e assunto “Memória do Esporte” para joao@omunicipio.com.br

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo