árvores em extinção brusque o município

Há diversas espécies de árvores de Brusque e região que estão ameaçadas de extinção por diversos motivos. Entre eles estão a exploração madeireira, o consumo de conservas, a colonização e outros fatores históricos. Das diversas espécies arbóreas que existem na cidade, atualmente dez delas são consideradas ameaçadas.

Os dados são de levantamentos coletados na lista oficial das espécies da flora ameaçada de extinção no estado, elaborada pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente de Santa Catarina (Consema/SC); a lista nacional oficial de espécies da flora ameaçadas de extinção do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio); além de consultas no site da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

Leia também:
– Confira cinco motivos para extinção de espécies de árvores em Brusque e região.

Porém, resultados preliminares de pesquisas recentes da Universidade Regional de Blumenau (Furb) e demais instituições parceiras apontam que esse número de espécies ameaçadas deverá aumentar.

“Esse número não representa o estado atual das espécies de árvores ameaçadas de extinção, tanto na região de Brusque, como também para Santa Catarina. Novas pesquisas utilizando informações de tamanho das populações e áreas de ocorrência, deverão trazer dados mais aproximados sobre o real status de ameaça das espécies arbóreas”, afirma o botânico Anderson Kassner Filho.

Novos estudos das espécies ameaçadas

O biólogo faz parte do grupo Inventário Florístico e Florestal de Santa Catarina (IFFSC) que coleta informações atualizadas, detalhadas e confiáveis sobre a quantidade e qualidade das florestas do estado. Após uma extensa pesquisa de campo, iniciada em 2017, foram medidas 597 unidades de amostragens. A maioria é medida novamente a cada cinco anos para acompanhar a dinâmica da floresta e mudanças no solo.

“Em cada unidade nós instalamos uma parcela de 4 mil metros quadrados e toda árvore que possui 10 centímetros ou mais de tronco é incluída na amostragem. Esses dados serviram de base para gerar uma nova lista de espécies ameaçadas, assim como servem para fundamentar a formulação de políticas públicas de uso e conservação das florestas do estado”, revela Anderson.

A nova lista de espécies ameaçadas faz parte da pesquisa de mestrado do biólogo Guilherme Salgado Grittz. No entanto, ela ainda passa por análises antes de ser divulgada oficialmente. “A lista gerada aponta uma porcentagem bem maior de espécies de árvores ameaçadas em relação ao total que temos agora. Os números são preocupantes e o principal fator é o desmatamento. É evidente que precisamos de novas estratégias para defender a existência de nossas árvores”, pontua Anderson.

Anderson também explica que a classificação do grau de ameaça das espécies é baseada pelos critérios da IUCN. As categorias são: pouco preocupante, quase ameaçada, vulnerável, em perigo, criticamente em perigo, extinta na natureza e extinta. Além disso, ainda há uma classificação de dados insuficientes, ou seja, não há informações consideráveis para categorizar na lista de risco.

Categorias de ameaça

As informações de cada espécie ameaçada foram consultadas no site do Centro Nacional de Conservação da Flora (CNCFlora) e Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr).

As espécies foram divididas em quatro grupos conforme a principal causa da ameaça. O primeiro grupo é das espécies que sofreram a exploração madeireira, que contempla a canela-preta (Ocotea catharinensis), canela-sassafrás (Ocotea odorifera), cedro (Cedrela fissilis), virola (Virola bicuhyba), e guamirim (Eugenia pruinosa).

A segunda categoria se refere a utilização para o consumo de conservas, cuja única espécie ameaçada é o palmito-juçara (Euterpe edulis). O terceiro grupo contempla as árvores com distribuição restrita, sendo elas guamirim-de-reitz (Campomanesia reitziana) e a congonha-nebular (Symplocos bidana).

A última classificação são as espécies endêmicas de Santa Catarina, ou seja, que só aparecem nesse estado: caroba-de-ulei (Dalbergia ernest-ulei) e rabo-de-bugio (Muellera grazielae).

Espécies ameaçadas devido à exploração madeireira

canela preta - nando
Nando Matheus Rocha/Especial

Canela-preta (Ocotea catharinensis) – Vulnerável

A espécie é uma das mais utilizadas na exploração madeireira no Vale do Itajaí no século passado. Ela pode ser encontrada nas encostas e topos de morros da Mata Atlântica. A madeira é muito nobre e era utilizada pelo homem com múltiplas aplicações como, por exemplo, na construção civil, nas vigas, caibro, ripas, taco, assoalho em geral, esquadria, caixilho, prancha e moirão. Estudos anteriores apontavam que a canela-preta representava um terço de todo volume de árvores em Santa Catarina. Em 2019, o jornal O Município publicou o especial Bella Città no qual visitou a Reserva Biológica da Canela Preta. A Rebio da Canela Preta é a terceira Unidade de Conservação mais antiga do Vale do Itajaí e da Mata Atlântica do estado. Foi fundada em 20 de junho de 1980. Com área de 1.899 hectares, estende-se pelos municípios de Botuverá e Nova Trento.

Canela-sassafrás (Ocotea odorifera) – Em perigo

Localizada nas regiões Sul, Norte e Nordeste, a canela-sassafrás foi muito explorada devido ao óleo essencial com altos teores de safrol. Além disso, a madeira da árvore é considerada de boa qualidade e também é utilizada em construções. Alguns fatores que dificultam a regeneração natural da espécie são a reprodução e dispersão; as sementes que são produzidas de forma irregular; oxidação do óleo, que causa dificuldade na germinação; espaçamento entre as árvores isoladas; redução dos polinizadores; o consumo de semestre e frutos por roedores, insetos e pássaros; fungos que causam podridão as sementes; e diminuição de matrizes nas florestas.

Cedro - nando
Nando Matheus Rocha/Especial

Cedro (Cedrela fissilis) – Vulnerável

Apesar de ser encontrado em todo país, o Cedro é muito frequente no Sul e Sudeste. Também é muito explorada por madeireiras, causando extinção as subpopulações. Os habitats foram degradados e convertidos em plantações, pasto, áreas urbanas, entre outros. A suspeita, segundo o site da CNCFlora, é de que nas últimas três gerações ocorreu uma diminuição de 30% da população desta espécie. A madeira é muito utilizada para produção de compensados, marcenaria, portas, janelas, na construção civil, naval e aeronáutica.

 

 

Virola bicuhyba - anderson
Anderson Kassner Filho/Especial

Virola (Virola bicuhyba) – Em perigo

Popularmente conhecida como bicuíba, a espécie de árvore apresenta endemismo brasileiro, ou seja, só cresce neste país. É encontrada em Florestas Ombrófilas e Estacionais. Ela tem preferência por florestas em regeneração avançada e pode ser encontrada nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste. A espécie tem potencial medicinal e, em razão disso, é explorada pela indústria farmacêutica. Ela tem uso estratégico pela agricultura familiar e também é muito utilizada pela construção civil. Além disso, ela desenvolve um papel ecológico ao proporcionar alimentos para diversos pássaros. Estima-se que a redução populacional seja de 60% nos últimos 30 anos. O óleo da semente é utilizado para produção de sabão e velas. Já a madeira serve para fabricação de compensados, construção naval e na indústria de laminados de papel.

Guamirim (Eugenia pruinosa) – Em perigo

Encontrada em Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e no Espírito Santo. Com a perda de habitat de cerca de 90% no Espírito Santo, acredita-se que a redução populacional da espécie foi de 50%. A espécie é comum na Mata Atlântica. Ela aparece nas florestas próximas ao litoral, de pequena altitude, em terrenos levemente ondulados. A espécie é característica da Floresta Ombrófila Densa. Parte da área de ocorrência está no Parque Natural Municipal do Atalaia, em Itajaí.

Espécies ameaçadas devido à exploração para consumo de conservas

Palmito-juçara (Euterpe edulis) – Vulnerável

Amplamente distribuído, o palmito-juçara tem registros na Mata Atlântica e no Cerrado. Aparece em diversos estados do Brasil, sendo Santa Catarina um deles. Popularmente conhecida como içara, palmito-juçara, juçara, palmito-doce, palmiteiro, entre outros. Ela tem frutos com uma fina camada de polpa que pode ser extraída e é comestível. Além disso, a árvore também é responsável pela produção do palmito. No entanto, devido à extração predatória, a espécie está ameaçada de extinção. De acordo com o CNCFlora, estima-se que atualmente 10% da produção de palmito do Brasil é do juçara do Sul do país e 90% é do açaí do baixo Amazonas.

Espécies ameaçadas com distribuição restrita

Campomanesia reitziana - anderson
Anderson Kassner Filho/Especial

Guamirim-de-reitz (Campomanesia reitziana) – Vulnerável

A espécie tem distribuição restrita para Santa Catarina e Paraná e só é encontrada em Florestas Ombrófilas. Estima-se que existam 5 mil indivíduos na natureza, resultando em uma baixa densidade populacional. Por esse motivo, acredita-se que cada subpopulação não tenha mais de 1 mil indivíduos maduros. A perda de habitat para as atividades de mineração e setor agrícola causaram perda populacional de cerca de 10% nos últimos 30 anos. A planta é muito atrativa para os pássaros.

Espécies ameaçadas e endêmicas de Santa Catarina

Caroba-de-ulei (Dalbergia ernest-ulei)

A espécie pode ser encontrada no litoral Norte de Santa Catarina até Brusque, conforme aponta a pesquisa de conclusão de curso de Rodrigo Augusto Camargo. A Dalbergia ernest-ulei está presente nas encostas da floresta Ombrófila Densa. A espécie é recomendada para restauração e reflorestamento de ambientes onde ocorre.

*Fonte: Centro Nacional de Conservação da Flora (CNCFlora) e Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr).


Receba notícias direto no celular entrando nos grupos de O Município. Clique na opção preferida:

WhatsApp | Telegram


• Aproveite e inscreva-se no canal do YouTube

Deixe uma resposta