Diretor de Turismo explica novas regras para locação do pavilhão de eventos de Brusque

Kito Maestri esteve na tribuna da Câmara de Vereadores nesta terça-feira

Diretor de Turismo explica novas regras para locação do pavilhão de eventos de Brusque

Kito Maestri esteve na tribuna da Câmara de Vereadores nesta terça-feira

O diretor de Turismo da Prefeitura de Brusque, Norberto Maestri, o Kito, esteve na sessão da Câmara desta terça-feira, 27, para falar aos vereadores sobre a nova regulamentação do pavilhão de eventos Maria Celina Vidotto Imhof.

Com um movimento intenso de eventos durante todo o ano, o espaço foi reformado após a forte chuva do início de 2018, que destruiu parte da estrutura.

Após a revitalização, o prefeito Jonas Paegle assinou decreto que muda as regras para locação do espaço para os eventos e, a partir de 2019, as novas regras começarão a valer, afirma Kito.

“Houve um grande investimento no pavilhão depois de quase 30 anos e agora precisamos manter essa estrutura e, para isso, passamos a ter um novo conceito de trabalho. A partir de 2019 vamos respeitar o decreto na íntegra”, diz.

De acordo com Kito, todo o evento no piso superior ou térreo do pavilhão será cobrado um aluguel de R$ 2,5 mil por dia de evento. Também será cobrado um aluguel da área de estacionamento interna e externa. Hoje, os promotores de eventos pagam uma taxa simbólica para a utilização do espaço.

“Os eventos consomem energia, água, toda a estrutura do pavilhão e quem paga é a prefeitura, então, nada mais do que justo a cobrança para utilizar o espaço. A cobrança à parte da área de estacionamento também será feita porque não é justo que a gente dê de graça o espaço de estacionamento e quem vai fazer o evento cobre do público”.

Kito afirma que a administração fez uma pesquisa de preço dos aluguéis cobrados em cidades da região e considera que o que será cobrado em Brusque é justo e não deve afastar os promotores de eventos do município. “O que será cobrado aqui é muito diferente do que é cobrado em cidades da região. Tem cidades que cobram R$ 6 mil por dia, fora o consumo de água e energia elétrica. Aqui será R$ 2,5 mil com toda a estrutura”.

O diretor de Turismo também diz que será revista a política de empréstimo de mesas e cadeiras do pavilhão para eventos particulares. “Nós emprestamos e volta danificado ou nem volta. Hoje temos 80 mesas, alguns anos atrás, tínhamos 200. Então é complicado. As pessoas nos cobram uma estrutura, e para manter a estrutura em boas condições precisamos de recursos”.

Kito afirma que todos os promotores de eventos já estão cientes da cobrança e que o calendário do pavilhão para 2019 já está praticamente lotado. De acordo com ele, já são 43 eventos agendados no local, sendo que desses, em torno de 30 são considerados de médio e grande porte.