Início das obras do PAC Macrodrenagem depende de aprovação de projeto

Obra na Bacia Primeiro de Maio depende da liberação na Caixa Econômica Federal para licitação

Início das obras do PAC Macrodrenagem depende de aprovação de projeto

Obra na Bacia Primeiro de Maio depende da liberação na Caixa Econômica Federal para licitação

A obra do PAC Macrodrenagem da Bacia Primeiro de Maio/Poço Fundo segue sem data definida para seu início. O impedimento ainda está na liberação do projeto pela Caixa Econômica Federal (CEF) que, segundo o secretário de Obras, Gilmar Vilamoski, está em fase final de aprovação. Após essa liberação, será publicado o segundo edital de licitação para o serviço de assentamento das galerias para, então, dar início a execução das obras. A primeira licitação, referente a compra de materiais, já foi executada e duas empresas serão as fornecedoras. A previsão de conclusão após o início do PAC é de 12 meses.

A demora para aprovação do projeto junto à CEF é devido às mudanças que foram feitas em sua última versão. “Como fizemos a substituição das galerias moldadas in loco por galerias pré-moldadas, todo o projeto precisou ser refeito e a Caixa tem uma série de exigências para essa modalidade. Estamos no aguardo dessa fase final de aprovação”, explica Vilamoski. O motivo para a substituição de galerias moldadas in loco por pré-moldadas é dar agilidade a obra. No projeto anterior, 60% das galerias eram do primeiro modelo e, dependendo das condições climáticas, seria possível executar em torno de 12 metros por semana. No novo projeto – que consta de 100% de galerias pré-moldadas – a previsão é de que se faça essa mesma extensão em um dia.

Vilamoski afirma que ainda não é possível avaliar se essa substituição irá encarecer a obra – orçada em aproximadamente R$ 14 milhões. “Vamos poder fazer essa avaliação apenas quando for licitado o segundo lote (assentamento das galerias). Se, eventualmente, essa obra se tornar um pouco mais cara do que o previsto, esse custo tem que ser creditado ao benefício social que a velocidade da obra vai trazer”.

Primeira licitação
O PAC Primeiro de Maio foi dividido em mais uma licitação: além dessa que depende da liberação da Caixa, a primeira já foi realizada e duas empresas venceram, a Marcos Tubos Ltda e a Artefatos de Cimento Raimondi Ltda. Cada uma delas será fornecedora de três itens distintos. O orçamento total para essa parte da obra é de pouco mais de R$ 8,2 milhões, sendo que o valor licitado foi de R$ 7.114.105, desconto de 13,39%, – equivalente a mais de R$ 1,1 milhão.
Dificuldades da obra

Além de depender das condições climáticas e do solo, as obras do PAC Primeiro de Maio têm um grande nível de dificuldade, pois será realizada em uma das vias de maior trânsito e congestionamento de Brusque. “Os problemas são inerentes a obra desse porte, principalmente, quanto a questão de mobilidade. Temos um planejamento de trânsito para ser executado durante as obras que, no papel, está muito bem, mas a população sentirá, pois vai mudar sua rotina de deslocamento. Aliado a isso, com a situação do trânsito atual, há alguns pontos de estrangulamento e com o fechamento de uma dessas vias, com rotas alternativas, a tendência é que esses pontos venham a aumentar”, diz o secretário de Obras.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio