Mães e bebês fazem aula de dança juntos em Brusque

Sling dance é realizado com as crianças presas ao corpo da mãe com um carregador de pano

Mães e bebês fazem aula de dança juntos em Brusque

Sling dance é realizado com as crianças presas ao corpo da mãe com um carregador de pano

É com música, dança e exercícios físicos que as mamães de Brusque e região têm estreitado as relações com os seus bebês. Desde agosto, a cidade conta com instruções de sling dance, modalidade baseada em movimentos de dança em que o neném fica preso à mãe por um carregador de pano chamado de sling.

A instrutora Rafaella Reinert, que também realiza a atividade com o seu filho Antônio, de um ano, explica que o sling dance foi pensado para crianças de um mês a dois anos. “Elas podem vivenciar a sensação de liberdade sem o peso de abandonar o filho nos primeiros meses de vida”. A modalidade envolve uma hora de exercícios divididos em alongamento para as mães, massagem nos bebês e dança com os nenéns em estilos variados.

“A dança, o alongamento e os exercícios de fortalecimento do corpo fazem com que as mães redescubram as mulheres fortes que são, e valorizem atividades prazerosas com o bebê”, diz Rafaella.

Sling Dance é dividido em alongamento para as mães, massagem nos bebês e dança em estilos variados / Foto: Grupo Kaiorra/Divulgação
Sling Dance é dividido em alongamento para as mães, massagem nos bebês e dança em estilos variados / Foto: Grupo Kaiorra/Divulgação

A instrutora conta que a modalidade começou a ser difundida no começo do ano em Camboriú pelo Grupo Kaiorra e se expandiu em Brusque. Atualmente são cerca de dez mães que praticam a atividade no município, porém, ainda não tem uma turma fechada. Segundo Rafaella, o objetivo principal é reunir as mães, fazê-las sair de casa e trocar experiências com outras mamães. “Os encontros proporcionam a descoberta de uma nova mulher, de capacidades que nem imaginavam, a chance de encarar desafios e satisfazer-se na maternidade”.

A empresária Bruna Lorena Bilk Bragatto mora no bairro Imigrantes, em Guabiruba, e realiza as aulas de sling dance na Academia Fórmula, no Jardim Maluche. Ela e sua filha Isabela, de três meses, estão adorando a nova atividade. Bruna conta que participou de uma aula experimental e gostou da experiência, já que lhe estimulou a voltar a fazer atividades físicas. Segundo a mamãe, Isabela também gosta da modalidade e distribuiu sorrisos. “Faz bem para o psicológico, para o corpo. A Isabela ama tanto que chega a dormir em todas as aulas”.

Incentivo ao sling

Do dia 5 até ontem foi realizada a Semana Internacional de Incentivo ao Sling, com atividades de estímulo ao uso do carregador em todo o Brasil. Essa prática de transporte do bebê coladinho ao corpo é comum em culturas africanas, asiáticas e indígenas. O sling permite uma postura fisiológica do corpo do bebê em suas várias possibilidades de posição.

Pesquisas recentes revelam que tanto a coluna como o quadril do bebê são “respeitados” pelo sling, pois a postura na qual o bebê senta com as pernas abertas com 45° em relação ao eixo corporal, quadril flexionado e joelhos ligeiramente superiores ao bumbum, permitem que a cabeça do fêmur tenha um encaixe perfeito no acetábulo do quadril contribuindo até mesmo para o tratamento de displasia leves de quadril.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio