Ressonância magnética de última geração começa a funcionar em outubro no Hospital Azambuja

Direção anuncia que exames com equipamentos de ponta poderão ser pagos com cartão de crédito

Ressonância magnética de última geração começa a funcionar em outubro no Hospital Azambuja

Direção anuncia que exames com equipamentos de ponta poderão ser pagos com cartão de crédito

Os pacientes do Hospital Azambuja terão à sua disposição uma ressonância magnética de última geração, além de ultrassom 4D e um aparelho de densitometria óssea a partir da semana que vem. Os equipamentos foram apresentados oficialmente pela direção da unidade hospitalar ontem.

As mais novas aquisições do Hospital Azambuja são as mais modernas no momento. Por exemplo: a ressonância magnética adquirida foi lançada, nos Estados Unidos, no fim de 2015, e só existe outra instalada no país, em Curitiba (PR).

O aparelho permite que os médicos tenham um nível muito alto de detalhamento das partes do corpo. É possível, por exemplo, fazer exames ortopédicos e também analisar os neurônios no cérebro do paciente.

O médico radiologista Gustavo Gumz Correia explica que essas informações são muito importantes no pré-operatório, para o cirurgião poder se planejar para o procedimento.

“O nosso carro-chefe é a ressonância magnética de campo fechado. O hospital tinha uma ressonância de campo aberto, mas era antiga, de uns oito ou nove anos, e foi substituída por um aparelho de última geração”, diz Correia.

Aparelho de ultrassom tem tecnologia 4D / Foto: Marcos Borges
Aparelho de ultrassom tem tecnologia 4D / Foto: Marcos Borges

Segundo o radiologista, além de mais qualidade, o aparelho também tem mais capacidade para a realização de exames de vários tipos. “Vamos conseguir atender muito bem pacientes ortopédicos e que já realizaram cirurgias e têm próteses”, afirma.

“Também vamos ter bobinas para a realização de exames de mama, de neurorradiologia, de perfusão de tumor, e, eventualmente, a tractografia, que é recurso que a gente observa os neurônios dentro do cérebro e como eles se comunicam e estão”, completa Correia.

Ultrassom e densitometria

O Hospital Azambuja também adquiriu um novo aparelho de ultrassonografia, também de última geração. A principal diferença é que os pais poderão ver os bebês mais detalhadamente por causa da tecnologia 3D e 4D.

Uma novidade apresentada pela diretoria foi o aparelho de densitometria óssea. Ele serve para o diagnóstico de doenças relacionadas aos ossos, por exemplo, osteoporose. Também identifica calcificação, deficiência de vitamina D, entre outros problemas comuns, sobretudo, em idosos.

Facilidade no pagamento

Fabiano Amorim, administrador do hospital, também anunciou que os exames de imagem da unidade poderão ser quitados em até dez vezes no cartão de crédito, com a parcela mínima de R$ 30.

O administrador do Azambuja diz que esta medida visa facilitar o acesso das pessoas que precisam do exame, mas não podem esperar na fila do SUS. Todos os aparelhos adquiridos ficarão à disposição de paciente de convênios, do SUS e particulares.

Alto investimento

O Hospital Azambuja investiu cerca de R$ 5 milhões na aquisição de novos equipamentos e expansão da estrutura física no último ano. Em breve, chegará um novo raio-X para completar a modernização do setor de imagem.

“São equipamentos de alta tecnologia, que não existem na região. Vamos dar a garantia de atendimento, temos equipamento de ponta. Não tem mais necessidade de a população procurar exames fora do município”, afirma Amorim.

O diretor da instituição, padre Nélio Schwanke, afirma que a aquisição dos equipamentos é “motivo de alegria”. Ele ressalta que o aparelho propiciará atendimento melhor para a comunidade.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio