Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Santos

Jornalista esportivo - rodrigosantos@omunicipio.com.br

Reta final

Rodrigo Santos

Jornalista esportivo - rodrigosantos@omunicipio.com.br

Reta final

Reta final **foto1: avaí Nos últimos cinco jogos, Avaí conquistou 11 dos 15 pontos possíveis e saiu da zona de rebaixamento **foto2: chapecoense Chapecoense insistiu demais em manter Vinicius Eutrópio, o demitiu e, até agora, não chegou a um substituto Créditos: Divulgação

Rodrigo Santos

O fim de semana passada marcou a saída do Avaí da zona de rebaixamento do Brasileirão. A campanha do returno é de respeito, mostrando que Claudinei Oliveira conseguiu, trabalhando pesado, fazer um elenco limitado render o máximo possível para conquistar, nos últimos cinco jogos, 11 pontos em 15 possíveis. A defesa vem sendo o ponto forte, com um Betão em ótima fase comandando um setor que só tomou um gol neste mesmo período.

Se o futebol é momento, ta aí uma grande oportunidade para pontuar ao máximo, aproveitar-se das limitações de adversários que não se encontram (como a Chapecoense) e tentar guardar uma gordura para as emocionantes rodadas finais. Se chegar aos 43 ou 44 pontos antes, tá ótimo.

Enquanto isso, a Chapecoense não se acha. Perdeu mais uma em casa, agora para o Cruzeiro, e demorou demais para tomar uma atitude. O clube insistiu demais em manter Vinicius Eutrópio, o demitiu e, até agora, não chegou a um substituto. O maior erro foi a demissão de Vágner Mancini.

A proposta de jogo de Eutrópio até deu sinais que poderia encaixar em algumas partidas, mas voltou a índices negativos. O time é desorganizado, não parece conseguir estruturar jogadas, o tempo passa e o desespero aumenta. A declaração de Rui Costa, “colocando a mão no fogo” que o time não cairá soa como o “termo de compromisso” feito pelo Figueirense no ano passado.

O presidente Maninho, que ouve reclamação da torcida por onde anda em Chapecó, precisa tomar uma atitude. Se não, não será só a mão de Rui que vai se queimar com a torcida.


Jasc
Faltam 49 dias para os Jogos Abertos de Santa Catarina, em Lages. A cidade da Serra corre para deixar todos os locais de competições prontos até a abertura, no início de novembro. 193 municípios já confirmaram a participação nos Jasc. A cidade espera receber sete mil pessoas durante os nove dias de realização.

Eliomar
O ex-meia do Brusque foi dispensado ontem pelo Joinville, junto com o atacante Ricardo Lobo. O presidente Danilo Rezini não esconde que quer contar com o jogador para a Copa Santa Catarina e a próxima temporada. Com a sua saída confirmada do JEC (que liberou 13 jogadores de uma vez só), a possibilidade de retorno é grande. Todos, da diretoria à comissão técnica, gostam dele. Não dá pra descartar também um possível retorno de Lobo.

Desafio
O técnico Jerson Testoni acredita que o time vá entrar bem na Copa SC, mas enxerga uma grande dificuldade no processo: a competição é curta demais, exigindo um rendimento alto já na estreia em Lages contra o Inter, para não perder terreno e permanecer sempre na zona de classificação. Afinal, tudo se resolve em seis partidas.

Forte
O concorrente mais perigoso do Brusque na Copa SC é o Tubarão, que já treina há aproximadamente dois meses, realizando amistosos e reforçando constantemente o time. O Inter de Lages não contratou muito para essa competição, guardando esforços para o Catarinense, onde ficou próximo de ser rebaixado. Já o Joinville, depois da limpa que fez ontem, virá a campo com um time de base agregando os poucos jogadores que permaneceram no clube, como o atacante Rafael Grampola, artilheiro da Série C.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio